terça-feira, 18 de dezembro de 2018


Políciais Militares fazem assembléia hoje (18) para definir sobre paralisação

Hoje (18), terça feira, às 14h, no Clube dos Oficiais Militares, no bairro do Tirol, em Natal, os oficiais, subtenentes e sargentos definirão sobre a possível mobilização como protesto pelo atraso no pagamento do décimo terceiro salário de 2017 e a indefinição sobre os salários de dezembro e o décimo terceiro salário de 2018.

Na semana passada já ocorreu uma primeira reunião com dirigentes de todas as associações militares. O encontro de amanhã trará uma posição oficial da categoria podendo culminar, inclusive, em um protesto com atos.

Suspeitos de assalto à granja morrem em confronto com a PM em Extremoz, RN

Com o trio foram apreendidos um rifle calibre 44, um revólver 38, uma pistola de ar comprimido, munições e material que havia sido roubado na granja — Foto: PMRN/Divulgação

Três homens suspeitos de terem feito um arrastão em uma granja na zona rural de Extremoz, na Grande Natal, morreram ao trocarem tiros com policias militares no final da noite desta segunda-feira (17). O confronto aconteceu na comunidade de Passagem da Vila.

Segundo a PM, policias de uma viatura que fazem o patrulhamento na região receberam a informação que estava ocorrendo um arrastão em uma propriedade rural. Durante as buscas pelos criminosos, em uma estrada de terra, a guarnição encontrou os suspeitos. Foi quando houve a troca de tiros.

No confronto, ainda de acordo com a Polícia Militar, os três suspeitos foram baleados, socorridos ao hospital, mas não resistiram aos ferimentos. Os três mortos ainda não foram identificados.

Com o trio foram apreendidos um rifle calibre 44, um revólver 38, uma pistola de ar comprimido, munições e material que havia sido roubado na granja.

Novo grupo de venezuelanos refugiados chega em Caicó

Um novo grupo de venezuelanos que buscam refúgio no Brasil chegou na noite desta segunda-feira (17) em Caicó. De acordo com informações,12 pessoas, de três famílias, atendidas pelo programa de interiorização da organização humanitária internacional Aldeias Infantis SOS.

Crianças, adolescentes, mães e pais que chegaram nesta segunda-feira (17), no aeroporto do Recife em um avião da FAB e em seguida foram transportados para Caicó em um ônibus do Exército Brasileiro.


FIM DE ANO É EM LK MULTIMARCAS

Novidades você encontra  na LKMULTIMARCASCAICO

Venha conhecer às novas instalações e aproveite as grandes promoções que preparamos para você!

Rua Renato Dantas 633 - Centro de Caicó. Localizado por trás do Banco do Nordeste. 

9.9927-8030

Vacina experimental contra HIV funciona em macacos, aponta novo estudo

O novo estudo mostra que os macacos rhesus podem ser estimulados a produzir anticorpos neutralizantes contra uma cepa do HIV que se assemelha à forma viral resiliente que mais comumente infecta pessoas, chamada de vírus Tier 2. A pesquisa também fornece a primeira estimativa de níveis de anticorpos neutralizantes induzidos pela vacina necessários para proteger contra o HIV.

“Descobrimos que anticorpos neutralizantes que foram induzidos pela vacinação podem proteger os animais contra vírus que se parecem muito com o HIV no mundo real”, diz Dennis Burton, presidente do Departamento de Imunologia e Microbiologia da Scripps Research e diretor científico da Iniciativa International de Vacina contra a Aids (IAVI).

Embora a vacina esteja longe de testes clínicos em humanos, o estudo fornece uma prova de conceito para a estratégia de vacina contra o HIV que Burton e seus colegas vêm desenvolvendo desde os anos 90.

O objetivo dessa estratégia é identificar as áreas raras e vulneráveis ​​do HIV e ensinar o sistema imunológico a produzir anticorpos para atacar essas áreas. Estudos conduzidos por cientistas da Scripps Research mostraram que o corpo precisa produzir anticorpos neutralizantes que se ligam ao trímero de proteína do envelope externo do vírus.

Para apoiar esta ideia, os cientistas descobriram que poderiam proteger os modelos animais do HIV, injetando-os com anticorpos neutralizantes que foram produzidos no laboratório.

O desenvolvimento da vacina

O desafio, então, era fazer com que os animais produzissem os próprios anticorpos neutralizantes. Para fazer isso, os cientistas precisavam expor o sistema imunológico ao trímero de proteína do envelope, treinando-o efetivamente para identificar esse alvo e produzir os anticorpos corretos contra ele.

Mas houve um grande problema. O trímero do envelope do HIV é instável e tende a desmoronar quando isolado. Como os cientistas poderiam usá-lo como um ingrediente em uma vacina? Um grande avanço veio em 2013, quando cientistas projetaram geneticamente um trímero mais estável, ou SOSIP.

“Pela primeira vez, tivemos algo que se parecia muito com o trímero de proteína do envelope do HIV”, diz Matthias Pauthner, pesquisador associado da Scripps Research e co-autor do novo estudo.

Os cientistas rapidamente avançaram com o projeto de uma vacina experimental contra o HIV que continha este trímero SOSIP estável. Seu objetivo com o novo estudo era ver se esse tipo de vacina poderia realmente proteger os animais da infecção.

O teste em macacos

A equipe testou a vacina em dois grupos de macacos rhesus. Um estudo anterior usando a mesma vacina mostrou que alguns macacos imunizados naturalmente desenvolveram baixos níveis de anticorpos em seus corpos, enquanto outros desenvolveram altos níveis após a vacinação.

A partir deste estudo, os pesquisadores selecionaram e revacinaram seis macacos com baixos níveis e seis macacos com altos níveis. Eles também estudaram 12 primatas não imunizados como seu grupo de controle.

Os primatas foram então expostos a uma forma do vírus chamado SHIV, uma versão artificial do HIV que contém o mesmo trímero de envelope que o vírus humano.

Esta cepa particular do vírus é conhecida como um vírus Tier 2 porque se mostrou ser difícil de neutralizar, bem como as formas de HIV que circulam na população humana.

Os pesquisadores descobriram que a vacinação funcionava nos animais com altos níveis. Os macacos conseguiram produzir níveis suficientes de anticorpos neutralizantes contra o trímero da proteína do envelope para prevenir a infecção.

“Desde que o HIV surgiu, esta é a primeira evidência que temos de proteção baseada em anticorpos contra um vírus Tier 2 após a vacinação. Uma questão agora é como podemos obter esses altos níveis em todos os animais?”- Matthias Pauthner, pesquisador associado da Scripps Research e co-autor do estudo.

O foco nos níves de anticorpos tornou-se especialmente importante, pois os pesquisadores viram a proteção contra o HIV diminuir à medida que os níveis caíram nas semanas e meses após a vacinação. Ao rastrear os níveis enquanto expunham continuamente os animais ao vírus, os pesquisadores determinaram os níveis de anticorpos necessários para manter o HIV sob controle.

O futuro

É importante ressaltar que o estudo também mostrou que os anticorpos neutralizantes, mas não outros aspectos do sistema imunológico, eram a chave para parar o vírus. Pauthner diz que esta é uma descoberta importante, uma vez que outros laboratórios se concentraram no potencial das células T e outras defesas do sistema imunológico para bloquear a infecção.

No futuro, os cientistas estão procurando melhorar o projeto da vacina para testes em humanos e manter os níveis de anticorpos altos. “Há muitos truques imunológicos que podem ser explorados para tornar a imunidade mais duradoura”, diz Pauthner.

Os pesquisadores estão buscando uma estratégia para obter anticorpos amplamente neutralizantes (bnAbs) que possam neutralizar muitas cepas do HIV, em vez da única cepa descrita nesses estudos. “Esta pesquisa dá uma estimativa dos níveis de bnAbs que podemos precisar para induzir através da vacinação, a fim de proteger contra o HIV em todo o mundo”, diz Burton.

G1 / BG

parcelas dos cartões de credito terão taxas menores em 2019, afirma especialistas

As empresas de cartões de crédito devem lançar até o fim do primeiro trimestre de 2019 uma nova forma de parcelamento das compras, que informará ao cliente, na hora da transação, qual a taxa de juros que ele efetivamente pagará na compra. A expectativa do mercado é que os juros do novo produto sejam menores do que os cobrados hoje no parcelamento tradicional da fatura.

“Já estamos na fase de testes (do novo sistema de parcelamento) para padronizar o funcionamento das maquininhas. O consumidor saberá na hora o valor da parcela e a taxa de juros cobrada. Ele poderá comparar até três simulações, com números diferentes de parcelas”, disse Ricardo Vieira, diretor executivo da Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços).

O novo produto, que está sendo chamado pela Abecs de “Crediário”, será uma alternativa ao parcelamento sem juros oferecido hoje por alguns lojistas. De acordo a Abecs, o parcelamento sem juros não será extinto. Caberá a cada lojista escolher qual forma de parcelamento pretende oferecer.

“Na prática, estamos dando a oportunidade ao pequeno lojista de se financiar utilizando um crédito mais barato. Hoje, eles não têm condições de captar recursos com o mesmo custo de grandes redes de varejo”, afirmou o executivo da Abecs.

EMPARN INSTALA PRIMEIROS PLUVIÔMETROS AUTOMÁTICOS, NO INTERIOR DO RN



Na última sexta-feira (14), a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) começou a instalação dos pluviômetros automáticos no interior do Rio Grande do Norte. Ao todo serão instalados 100 telepluviômetros, distribuídos por todas as regiões do Estado. Esses primeiros equipamentos foram instalados nos municípios de Ceará-Mirim e Guamaré. Os telepluviômetros fazem parte do projeto de Modernização da Meteorologia Potiguar, que já instalou 15 Estações Automáticas.

Essa rede automática vai monitorar as variáveis meteorológicas como temperatura, umidade do ar, vento, pressão atmosférica, radiação solar, umidade do solo, temperatura do solo, quantidade chuva, etc. As medições serão feitas de hora em hora e transmitidas online para o servidor da Emparn. As informações serão utilizadas tanto para divulgação para a população como para a geração de produtos voltados para a agricultura, pecuária e turismo.

A partir dessas informações, por exemplo, vai ser possível melhorar o zoneamento e monitoramento agrícola, o que dará mais segurança aos agricultores, principalmente na hora de escolher a hora e a cultura agrícola para plantar. O monitoramento climático mais eficaz possibilita ainda auxiliar na gestão dos recursos hídricos do Estado.

Essa é a primeira vez que a meteorologia do Estado passa por uma reformulação e modernização mais ampla, o que permitirá que a Emparn disponibilize, de forma mais eficaz, a previsão do tempo e o monitoramento de chuvas. O Projeto de Ampliação e Modernização do Monitoramento Hidrometeorológico, Climático e Agrometeorológico do Rio Grande do Norte foi desenvolvido pela gerência de Meteorologia da Emparn e apresentado ao Governo do Estado e Banco Mundial, agente financiador do projeto no valor de 5,5 milhões em equipamentos e desenvolvimento de Softwares.

A previsão para que a nova rede esteja em pleno funcionamento é o primeiro semestre de 2019. Quando este projeto estiver em plena execução, o RN contará com 100 pluviômetros automáticos, 23 estações automáticas, além dos 200 pluviômetros convencionais em uso atualmente.