terça-feira, 1 de março de 2016


Tom Cavalcante é internado em São Paulo com gripe H1N1


O humorista Tom Cavalcante está há três dias internado em São Paulo, informou nesta terça-feira (1º) o hospital Sírio-Libanês.

Ele deu entrada na unidade no domingo (28), com um quadro infeccioso e diagnóstico de gripe H1N1.

A doença respiratória é a mesma que, por causa de um surto em 2009, fez a OMS (Organização Mundial da Saúde) emitir um alerta de pandemia.

Segundo boletim médico, Tom está sendo medicado e deverá receber alta nos próximos dias.

O humorista, que já comandou programas na Globo e na Record, estrelou em 2015 a sitcom “#PartiuShopping”, no Multishow, que foi ao ar entre junho e julho.
Folha Press

Diretor de Alcaçuz sofre pedrada na cabeça durante revista na unidade

G1-RN: O diretor do presídio Estadual de Alcaçuz, Ivo Freire foi ferido na cabeça após presos da unidade arremessar pedras na equipe de intervenção e nos agentes penitenciários de plantão durante uma revista na manhã desta terça-feira (01). Os detentos se rebelaram quando o Grupo de Operações Especiais encontrou um túnel na quadra do presídio.

De acordo com a equipe do GOE a intervenção ocorreu depois que a informação de um túnel na quadra chegou até a direção, imediatamente foi planejada a entrada no pavilhão 2, já na chegada todos foram recebidos com pedras. O diretor Ivo Freire sofreu um corte na cabeça e foi socorrido.

Depois de controlados os presos foram submetidos a uma averiguação e todo o pavilhão a uma vistoria. A informação do túnel na quadra foi confirmada após uma revista minuciosa no local.

Chuva de meteoros passa pela Terra 'de surpresa' e deixa cientistas intrigado


As imagens foram captadas durante as comemorações de Ano Novo do outro lado do mundo, mas só agora chegaram ao público! Trata-se de uma chuva de meteoros até então desconhecida, que não foi detectada por telescópios profissionais e amadores. A ocorrência assustou especialistas e está sendo devidamente estudada por agências astronômicas.

A cadeia de asteroides recebeu o nome de Volantids e sua rota está sendo traçada por uma série de estudiosos do país, que se disseram “impressionados” com a descoberta, segundo o jornal Daily Mail.

Como uma chuva de meteoros geralmente é formada por detritos de um grande meteoro, o medo dos astrônomos era encarar um grande meteoro já em rota de colisão com a Terra.

“Uma chuva dessas é excelente para nos ajudar a detectar os corpos celestes realmente assustadores”, afirmou Dr, Peter Jenniskens, um dos líderes de pesquisa de meteoros do Instituto de Busca Extraterrestre da Califórnia.
A cadeia de meteoros foi detectada por um sistema de filmagem do hemisfério sul mantido por diversos governos ao redor do mundo. Segundo o relatório informal de cientistas especializados no assunto, especialmente o Dr. Jenniskens, por enquanto isso não passou de um susto.

No final de novembro de 2015, foi divulgada uma notícia estarrecedora: um asteroide gigantesco pode estar próximo de atingir o planeta, segundo o astronômo do Observatório McDonald, da Universidade do Texas, Judit Györgyey-Ries. Apesar de muitos filmes nos fazerem acreditar que os cientistas sempre ficam sabendo de último minuto quando um meteorito está a ponto de colidir com a Terra, isso não é verdade. Pesquisadores possuem dados que podem ajudar a calcular as chances de um astro realmente atingir a superfície terrestre.

E se um outro corpo celeste, um meteorito por exemplo, atingir o País? Quais são as nossas chances? Isso pode mesmo acontecer?

Um estudo realizado por astrônomos espanhóis levantou informações interessantes sobre a queda de meteoritos no mundo. Uma das primeiras descobertas é de que a maioria dos meteoritos que já caiu na Terra foi no segundo semestre do ano.

Além disso, foi descoberto que perturbações planetárias, em particular as de Júpiter, também podem aumentar ou diminuir as chances de meteoritos colidirem com a Terra, já que pode alterar até mesmo o caminho de meteoros e cometas.

Relacionando o histórico de queda de meteoritos, os astrônomos perceberam que 25 impactos ocorreram em regiões próximas – até 25° de acima ou abaixo – da linha do Equador.

No hemisfério Sul do continente americano, a maioria dos impactos de meteoritos ocorreu durante o dia, e nos últimos três meses do ano.

Para os brasileiros, uma notícia boa: de acordo com um gráfico desenvolvido pelos pesquisadores, a maioria dos casos de quedas de meteoritos no País ocorreu no mar, ou então em regiões montanhosas.

O estudo também apontou o fato de que as tecnologias que antecipam a chegava de meteoritos estão cada dia mais eficientes, e a tendência é que os astrônomos consigam avisar até meses antes a vindo de um astro em direção a Terra.

É improvável que o Brasil seja devastado por causa de um meteorito.
R7 / BG

Barragem de Oiticica deve ficar pronta em Julho de 2017, diz Governo

A barragem de Oiticica, localizada no município de Jucurutu, deve ficar pronta em julho de 2017. A nova previsão foi repassada pelo titular da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), Mairton França. Segundo ele, a data de conclusão da obra pode ser alterada se os valores repassados mensalmente pelo Ministério da Integração forem reajustados. Atualmente o ministério repassa R$ 6 milhões por mês para o estado tocar a obra.

“Desse valor R$ 2 milhões são destinados ao pagamento de indenizações das famílias desapropriadas. Os outros R$ 4 milhões são para a execução das obras. O repasse é menor do que a obra necessita para manter o ritmo adequado. Se o Ministério da Integração conseguir aumentar o valor do repasse mensal a gente consegue manter essa data de conclusão, mas se esses repasses permanecerem teremos que rever o prazo”, explicou Mairton.

Um balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) divulgado nesta segunda-feira (29) pelo Governo Federal informa que as obras da Barragem de Oiticica “estão em andamento e com 40% de execução”. A Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, por sua vez, afirma que as obras estão com 35% de execução, mesmo percentual de setembro de 2015.

Quando concluída, Oiticica beneficiará direta e indiretamente cerca de 500 mil pessoas em 17 cidades. Com capacidade para mais de meio milhão de metros cúbicos de água, será a terceira maior barragem do estado. O investimento também é considerável. Segundo o Ministério da Integração Nacional, a obra tem um valor global de R$ 311 milhões, dos quais R$ 292 milhões são provenientes de recursos federais e os outros R$ 19 milhões do governo estadual.
G1 (RN)