segunda-feira, 18 de abril de 2016


Apreensão de droga na zona norte de Caicó


A Polícia Militar prendeu na tarde de hoje (18), o caicoense John Wesley de Figueiredo Silva, de 22 anos. Na casa do pai dele, no bairro Recreio zona norte de Caicó, foram encontradas mais 25 porções pequenas de maconha e uma quantia de 1.780 reais em dinheiro fracionado.

Taxistas fazem "vaquinha" na intenção de comprar passagem à guianense que mora no aeroporto de São Gonçalo do Amarante há uma semana


Uma história de solidariedade no saguão do aeroporto de São Gonçalo do Amarante, ( grande Natal), mostra que no mundo ainda existem pessoas de coração bom. O guianense Cornel Henry chegou em Natal há dez dias, no intuito de encontrar alguns parentes, que residem na capital potiguar. Cornel teve insucesso nas buscas e na ida para o aeroporto de São Gonçalo do Amarante, ficou preso em um congestionamento e perdeu o voo para seu país – a Guiana Francesa.

Sem dinheiro para comprar outra passagem de volta para sua terra natal, o guianense passou a morar no aeroporto Aluízio Alves e vive por lá já há uma semana. O fato chamou a atenção dos taxistas que fazem ponto no local e sensibilizados com o caso, realizam uma ”vaquinha” para compra da passagem,e ainda ajudam na higiene pessoal e alimentação do estrangeiro.

De acordo com a ”turma da praça”, a comunicação entre eles e o Cornel é feita pelo tradutor do telefone celular e que estão tentando comprar a passagem pelo sistema de milhagem, até Boa Vista, Roraima estado que faz divisa com a Guiana Francesa. Boa parte do dinheiro já foi arrecadado, mas, por enquanto, o jeito é ele ter mais um pouco de paciência até a solução em definitivo do seu problema.
Quem quiser ajudar na doação de alimentos ou na compra da passagem para o guianense é só comparecer ao aeroporto internacional Aluízio Alves em São Gonçalo do Amarante e procurar os taxistas para maiores detalhes.
Edneuza Carlos, Imagem Via Certa Natal

BG / PLANTÃO CAICÓ

Vende-se excelente casa recém construída no Bairro Maynard em Caicó


Vende-se uma excelente casa recém construída, na Rua Silvio Romero,  468 no Bairro Maynard, escriturada e pronta para receber toda a sua família. Pode ser vendida financiada pelo banco.

O imóvel possui 2 quartos, cozinha, área de serviço, garagem, 1 banheiro, 1 sala. Valor da Residência: R$ 120 mil.

Interessados podem entrar em contato com o corretor Carlos Eduardo - CRECI 5408/RN.

Sancionada lei que proíbe revistas íntimas de funcionárias em locais de trabalho

A lei que proíbe revista íntima de funcionárias nos locais de trabalho. A Lei 13.271 foi publicada na edição de hoje (18) do Diário Oficial da União.

Segundo o texto, as empresas privadas, os órgãos e entidades da administração pública, direta e indireta, ficam proibidos de adotar qualquer prática de revista íntima de suas funcionárias e de clientes do sexo feminino.

Câmara diz sim ao impeachment de Dilma; pedido vai agora ao Senado

O pedido de abertura de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) foi aprovado pela Câmara do Deputados na noite deste domingo (17).

Após seis horas de votação, o placar final foi: 367 votos a favor do impeachment, 137 contra, além de 7 abstenções e 2 ausentes. Para ser aprovado na Câmara, o processo dependia do voto de no mínimo 342 dos 513 deputados, ou dois terços do total.

A aprovação, contudo, não afasta Dilma imediatamente da Presidência da República. Isso só pode ocorrer após a análise do Senado.

Após o anúncio do "sim", os parlamentares começaram a cantar o Hino Nacional, em comemoração.

A decisão pela abertura do processo de impeachment aconteceu por volta das 23h05, com o voto do deputado Bruno Araújo (PSDB-PE). "Quanta honra o destino me reservou ao sair da minha voz o grito de esperança de milhões de brasileiros", disse antes de proclamar seu voto a favor.

A votação terminou por volta das 23h45, e a vantagem foi dos votos pró-impeachment desde o começo. No total, a sessão durou mais de nove horas.

Cada parlamentar tinha cerca de dez segundos para dar o seu voto --o que não os impediu de fazer homenagens à família ou provocações tanto ao governo quanto ao grupo favorável ao impedimento da presidente.

As menções iam desde os carinhosos "pelo meu filho", "pelo povo do meu Estado" até posicionamentos mais contundentes como o "canalhas" de Jean Wyllys (PSOL-RJ) ou "é um golpe!" (entre os governistas).

Sobrou também para o próprio presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que foi chamado de "gângster" por Glauber Rocha (PSOL-RJ).

Durante a toda a sessão houve vários ataques a ele por parte dos deputados, mas ele não respondeu a nenhum. Na hora do seu voto, a favor do afastamento de Dilma, disse apenas: "que Deus tenha misericórdia dessa nação, voto sim".

Foi uma sessão tumultuada desde o início, quando alguns parlamentares invadiram um local proibido para tomar espaço atrás da mesa diretora onde estavam deputados pró-impeachment.

Houve bate-boca e empurra-empurra. Quando o grupo contra o impeachment conseguiu ficar atrás de Cunha, estenderam uma faixa com a mensagem "fora Cunha" e o presidente da Câmara proibiu esse tipo de manifestação.

A presença de familiares no salão de acesso exclusivo aos parlamentares para votação quebrou o clima tenso que se deu na maior parte do tempo.

Na história política brasileira, é a segunda vez que o processo de impedimento de um presidente da República recebe o aval da Câmara dos Deputados.
UOL / PLANTÃO CAICÓ