quinta-feira, 1 de setembro de 2016


Governo anunciou o calendário de pagamento do Estado

O governo do Rio Grande do Norte anunciou nesta quarta-feira (27) o calendário de pagamento dos servidores estaduais no mês de agosto. O repasse começa a ser feito às 12h desta sexta-feira (29) e será complementado no dia 10 de setembro.

No primeiro dia de pagamento serão creditados os salários dos  servidores da Segurança, Saúde e Educação, incluindo a Universidade Estadual do Rio Grande do Norte. Também recebem os servidores do Departamento Estadual de Trânsito, Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente (Idema), Departamento Estadual de Imprensa (DEI), Junta Comercial do RN (Jucern) e Instituto de Pesos e Medidas (Ipem/RN);

O montante será pago a 60.055 servidores. Ainda nesta sexta serão pagos os salários dos servidores ativos e inativos das demais áreas que ganham até R$ 2 mil, o que corresponde a 33.409 pessoas. Os 93.464 servidores correspondem a 91% da folha de pagamento.

No dia 10 de setembro, também às 12h, serão creditados os salários dos servidores ativos e inativos que recebem acima de R$ 2 mil, o que totaliza 9.377 pessoas, ou 9% da folha de pagamento do governo do Rio Grande do Norte.

Do G1 RN

Duplicação da BR 230 com previsão de inicio de suas obras


Prestes a completar 46 anos, a BR 230 poderá em breve se tornar uma das poucas estradas federais do Brasil a ter mais de 500 quilômetros duplicado. O projeto de duplicação da rodovia, entre Campina Grande e Cajazeiras, foi desengavetado e a perspectiva é que ainda este ano, o governo federal determine o inicio das obras.

A duplicação da BR 230 está orçada em aproximadamente R$ 3 bilhões, e devido ao tamanho e à complexidade da obra, o prazo de execução poderá chegar a cinco anos.

Inicialmente será duplicado o trecho que compreende Campina Grande e a Comunidade Farinha na Praça do Meio do Mundo, um dos acessos ao Cariri do Estado. Este é considerado o trecho mais complexo da rodovia com intenso tráfego de veículos.

De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT), inicialmente serão duplicados 31,3 km, com custos na ordem de R$ 165 milhões. Os recursos foram conquistados pelo senador Raimundo Lira, um dos precursores da luta pela duplicação.

Indicado pelo PMDB como relator das contas do Ministério dos Transportes no Orçamento da União do ano de 2016, o senador colocou uma emenda no orçamento para viabilizar a execução do projeto.

No ano passado, após seguidas reuniões no Ministério dos Transportes, ele conseguiu aprovar dotação orçamentária no Orçamento Geral da União – OGU 2016, no valor de R$ 165 milhões, para iniciar a obra, que levará desenvolvimento para o Sertão da Paraíba.

Esse trecho tem uma extensão de 33 quilômetros e segundo o Ministério dos Transportes seriam necessários R$ 5 milhões por quilômetro, para a execução da obra. Hoje, a Paraíba tem disponível, R$ 152 milhões, dos R$ 165 que foram aprovados no Orçamento Geral da União (OGU 2016).

Antes de deixar a pasta, o então Ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, destacou o empenho do senador Raimundo Lira em ver concretizado a duplicação da BR 230, e confirmou os recursos para o trecho compreende 33 quilômetros, indo de Campina Grande até a Comunidade Farinha.

No começo do ano, o então superintendente interino DNIT da Paraíba, Luiz Clark Soares Maia disse que, com os recursos garantidos pelo senador Raimundo Lira no orçamento do Ministério dos Transportes para 2016, a obra começa a tomar contornos de realidade.

Na última sexta-feira, o diretor geral do DNIT, Valter Casimiro Silveira, confirmou que em breve a licitação será publicada o que marcará o inicio das obras.

Ele admitiu que se trata de uma obra complexa, que exigirá muito estudo técnico e ambiental – a exemplo do que foi feito com o primeiro trecho que vai de Campina Grande até a comunidade Farinha (Praça do Meio do Mundo), que já tem os projetos técnico e ambiental aprovados.

Com o km zero em Cabedelo, a BR-230 é uma das rodovias federais mais importantes do país e a terceira maior com 4.971,2 km de extensão. Principal corredor do Estado, ela atravessa sete estados, quatro do Nordeste e três do Norte do país, a exemplo  da Paraíba, Ceará, Piauí, Maranhão, Tocantins, Pará e Amazonas.

Na Paraíba a Rodovia Transamazônica, de Cabedelo a Cajazeiras, tem cerca de 500 km. Os projetos técnico e ambiental já foram aprovados, faltando ser publicado processo de licitação.

A BR-230 na Paraíba é denominada Rodovia Governador Antonio Mariz e atravessa o estado com 516,7 quilômetros. Quinze quilômetros após a cidade de Cajazeiras, no Alto Sertão paraibano, a rodovia entra no estado do Ceará, onde tem 241,9 km. Na sequência, percorre 310,6 km no Piauí; 668,1 km no Estado do Maranhão; 146,4 km em Tocantins; 1.569,6 km no Pará e 1.518,4 quilômetros no estado do Amazonas. O trecho entre Campina Grande e João Pessoa, já foi duplicado.

Urgente : Assalto em casa loterica no centro de Caicó

Por volta das 11:00h desta quinta feira (01), foi registrado um assalto à mão armada na casa loterica da Av Rio Branco no Centro de Caicó.

Segundo informações, dois indivíduos armados com armas de fogo, chegaram ao local em uma motocicleta e anunciaram o assalto, os assaltantes andava em uma motocicleta de cor azul, possivelmente a moto que foi furtada na noite de ontem no bairro Vila do Príncipe.

Os acusados fugiram em direção ao bairro Paulo VI e não se tem informações do valor que foi roubado do local.

Salário mínimo vai ter aumento de R$ 880 para R$ 945 em 2017

O governo estima que o salário mínimo, hoje em R$ 880,00, será elevado para R$ 945,80 no ano que vem.

O número faz parte da proposta de Orçamento para 2017, entregue ao Congresso nesta quarta-feira (31), prazo final para apresentação do texto.

Na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias), apresentada em julho, o previsão era um mínimo de R$ 945,50.

Por lei, o reajuste do salário mínimo tem que ser feito com base na inflação apurada no ano anterior (o governo projeta inflação de 7,48% neste ano) e na variação do PIB (Produto Interno Bruto) de dois anos antes.

Em 2015, o PIB encolheu 3,8%, portanto, esse indicador não é considerado na conta.
A regra de correção do mínimo aprovado no Congresso é válida até 2019.

O Orçamento de 2017 prevê ainda correção de 5% da tabela do Imposto de Renda e reajuste para os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e outras carreiras ainda não aprovados no Congresso.
BG / Plantão Caicó