quarta-feira, 19 de outubro de 2016


Em pânico com a prisão do marido e envolvida com dinheiro desviado para o exterior, mulher de Cunha pode ser presa também

A jornalista Cláudia Cruz corre sério risco de ser presa pela a Operação Lava Jato.

A informação foi repassada por uma fonte no Paraná.

A esposa de Cunha participou ativamente do esquema criminoso que envolveu a Petrobrás, tendo sido beneficiaria direta de dinheiro desviado em contas no exterior.

O problema é que Claúdia Cruz é um dos maiores empecilhos para o Presidente Michel Temer.

A mesma já teria adiantado ser completamente favorável a uma delação premiada para se livrar da cadeia.

A esposa de Cunha segundo informações, ficou extremamente abalada com a prisão do marido, tendo entrado em “pânico” quando soube do fato.

DA REDAÇÃO DO CLICK POLITICA

Filha de William Bonner ajuda pai a comprar utensílios domésticos em loja. Fotos

Filha de William Bonner ajuda pai a comprar utensílios domésticos em loja. Fotos

William Bonner tirou a tarde desta quarta-feira (19) para passear com a filha Laura, de 18 anos, no shopping Fashion Mall, Zona Sul do Rio de Janeiro. Na ocasião, o jornalista e a herdeira visitaram uma loja de utensílios domésticos e depois tomaram sorvete. No último mês, o âncora do "Jornal Nacional" foi clicado no Village Mall, onde conferiu algumas panelas em um estabelecimento de eletrodomésticos.

Fátima Bernardes, ex- mulher de Bonnner, também esteve por lá, mas os dois não se encontraram, assim como aconteceu nas eleições. Com um look despojado, a apresentadora do "Encontro" circulou pelo local enquanto segurava suas compras.

William e Fátima foram casados por 26 anos e anunciaram a separação no dia 29 de agosto no Twitter. "Continuamos amigos e admiradores do trabalho um do outro", escreveram na ocasião.

Com o término, amigos do casal, que já passava por uma crise de dois anos no relacionamento, indicaram que houve uma pivô para o divórcio: uma médica, casada e dez anos mais jovem que Bonner. Apesar de não demostrar, Fátima teria ficado bastante triste com toda a situação e pediu, inclusive, que não comentassem o rompimento da relação nos bastidores de seu programa.

(Por Patrícia Dias)

Cunha é preso pela Polícia Federal em Brasília por ordem de Moro

BRASÍLIA/SÃO PAULO (Reuters) - O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha foi preso preventivamente nesta quarta-feira pela Polícia Federal em Brasília por determinação do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, que concentra as ações da operação Lava Jato em primeiro instância, informaram a PF e o Ministério Público Federal.

A decisão de Moro atendeu a pedido dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato, que afirmaram que Cunha representava risco às investigações caso permanecesse em liberdade.

"Os procuradores sustentaram que a liberdade do ex-parlamentar representava risco à instrução do processo, à ordem pública, como também a possibilidade concreta de fuga em virtude da disponibilidade de recursos ocultos no exterior, além da dupla nacionalidade", informou o MPF em comunicado, lembrando que Cunha tem as cidadanias brasileira e italiana.

O ex-parlamentar foi preso no âmbito de uma ação penal repassada a Moro pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em que Cunha é acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas em fatos relacionados à aquisição de um campo exploratório de petróleo em Benin, na África, pela Petrobras, no ano de 2011. A propina paga ao ex-deputado teria sido depositada em uma conta secreta de Cunha na Suíça.

A residência de Cunha no Rio de Janeiro, segundo um fonte da PF. O ex-deputado embarcou para Curitiba pouco antes das 16h.

Cunha foi citado por delatores da Lava Jato e teve o mandato parlamentar cassado pela Câmara em setembro. Antes disso, havia sido afastado em maio pelo STF da presidência da Câmara, cargo ao qual renunciou em julho.

Figura polêmica na cena política nacional nos últimos anos, quando foi líder da bancada do PMDB na Câmara e articulou a formação do grupo de parlamentares conhecido como "centrão", ainda antes de se eleger presidente da Casa, Cunha é conhecido por contra-atacar sempre que tem seu nome envolvido em irregularidades.

"Hoje é o começo do fim do governo Michel Temer. Um homem como Eduardo Cunha acostumado aos melhores vinhos, acostumado a visitar os melhores hotéis do mundo, acostumado a comer os melhores pratos, acostumado com os melhores sabores da vida, eu duvido este Eduardo Cunha aguentar essa prisão em Curitiba e não fazer delação premiada", disse o vice-líder da minoria na Câmara, deputado Sílvio Costa (PTdoB-PE).

"Eu sei que muitos parlamentares aqui a partir de hoje, eles vão aumentar o consumo de Lexotan. Mas também eu sei que lá no Palácio do Planalto, a essa altura, a quantidade de pedido a domicílio nas farmácias pedindo calmante é enorme", acrescentou.

No Palácio do Planalto, a ordem, segundo fontes ouvidas pela Reuters, é de não comentar a prisão de Cunha e manter distância do ex-deputado. Embora a avaliação dentro do governo seja a de que Cunha não tem munição para abalar o presidente, acredita-se que ele pode complicar outros peemedebistas e o governo como um todo.

Cunha usou as redes sociais para criticar a decisão de Moro, que classificou de "absurda", e disse que seus advogados " tomarão as medidas cabíveis".

RÉU EM DOIS PROCESSOS

Responsável por deflagrar o processo que culminou com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, Cunha culpou o governo do presidente Michel Temer pela perda de seu mandato logo após sua cassação e, dias depois de ser cassado, fez acusações de irregularidades contra o secretário do Programa de Parceria de Investimentos, Moreira Franco, um dos nomes mais próximos a Temer no governo.

Membro da base de Temer na Câmara, o líder do DEM na Casa, Pauderney Avelino (AM), disse não saber avaliar qual o impacto da prisão de Cunha, embora tenha feito a avaliação de que a detenção do ex-deputado abre caminho para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também seja preso na Lava Jato.

"O ex-deputado Eduardo Cunha é do PMDB, agora o que eu sei é que ele tinha vários apoios em vários partidos. Não saberia dizer qual o impacto dentro do próprio PMDB", disse Pauderney.

"O pessoal do PT dizia que, para prender Lula, teriam antes que prender o Eduardo Cunha. Se for na tese do PT, o caminho está aberto. As portas de Curitiba estão abertas também para o Lula."

Cunha, que foi deputado pelo PMDB do Rio de Janeiro, tem afirmado que não fará um acordo de delação premiada pois alega inocência e diz não ter o que delatar. Ele, no entanto, disse que escreverá um livro sobre o impeachment de Dilma no qual relatará conversas que teve com personagens políticos sobre o assunto.

Ele respondia a duas ações penais ligadas à Lava Jato no STF, mas as ações acabaram sendo repassadas a instâncias inferiores quando ele teve o mandato cassado e perdeu a prerrogativa de foro junto ao Supremo.

Uma delas, em que Cunha é acusado de receber pelo menos 5 milhões de dólares de um delator da Lava Jato em propina por um contrato de navios-sonda da Petrobras, foi repassada para o Tribunal Regional Federal da 2ª Região, sediado no Rio de Janeiro.

Isso porque a atual prefeita de Rio Bonito (RJ), a ex-deputada federal Solange Almeida, é ré no mesmo processo e, como prefeita, ela tem prerrogativa de foro junto ao TRF da 2ª Região.

A outra ação penal, que envolve a suposta propina relacionado aos campos de petróleo na África e o depósito dos recursos em contas na Suíça, que resultou em sua prisão nesta quarta, foi repassada a Moro.

Cunha nega ser o dono dessas contas, mas documentos dos Ministérios Públicos do Brasil e da Suíça apontaram Cunha e familiares como proprietários de contas bancárias no país europeu.

O ex-parlamentar teve o mandato cassado acusado de mentir em depoimento à CPI da Petrobras em 2015 quando questionado se tinha contas bancárias no exterior.

Empresário de Apodi pede ajuda nas redes sociais para se livrar do vício em cocaína

(Foto: Josemário Alves)

Por Maricélio Almeida e Josemário Alves
Portal Mossoró Hoje

“Se eu não parar eu vou morrer, não tenho escolha”. A afirmação em tom de desabafo é do empresário Allan Gurgel Sizenando. Aos 38 anos, ele percebeu, no último domingo, 16, que era chegada a hora de dar um basta a um vício que o consome há mais de 10 anos: a cocaína.

Morador do município de Apodi, distante cerca de 70 km de Mossoró, Allan utilizou suas redes sociais para pedir ajuda. Estava cansado de tentar lutar sozinho. A repercussão foi imediata. 

“Na segunda-feira, tinha gente na minha casa que eu nunca tinha visto, o telefone não parava. Foi bom, porque vi que tem pessoas que gostam de mim”, afirmou o empresário, que recebeu o repórter Josemário Alves em sua casa, para uma conversa franca sobre sua história de vida e o vício em cocaína. 

Allan respondeu todas as perguntas sem titubear. Revelou que já imaginava a grande repercussão que sua postagem teria, destacando que não havia outra alternativa para chamar atenção da família para o problema. 

“É um problema de saúde e eu ia continuar do mesmo jeito, abafado, iam passar 100 anos e ninguém ia perceber? Até pela quantidade de dinheiro que se gasta dava para ver. Eles faziam vista grossa”, afirma Allan, referindo aos seus familiares, acrescentando ainda que já chegou a gastar R$ 1,7 mil em um único fim de semana regado a álcool e cocaína. 

“Eu postei aquilo porque eu estava sentindo, estava precisando, meu interesse era justamente chamar atenção da família, não é possível que eles não percebessem, eu todo final de semana no meio do mundo, farreando, usando drogas...”, complementou. 

O início

O primeiro contato de Allan com a cocaína ocorreu há aproximadamente 14 anos. Por influência de amigos, ele acabou aceitando experimentar a droga, em uma vaquejada. Desde então não parou mais. 

“Sozinho a gente não tem contato com essas coisas, foi um amigo meu taxista que me apresentou, em uma vaquejada, de lá para cá foi só aumentando, gradativamente, foi ficando mais fácil de encontrar, naquela época era mais difícil. Hoje até Disk-Drogas tem, ligam e vem deixar na sua casa”, detalha. 

(Foto: Josemário Alves)

Agora, aos 38 anos, pai de um menino de 4, Allan Gurgel não suporta mais as crises causadas pelo consumo de cocaína. O empresário conta que viu a morte de perto várias vezes. “Não ia para o hospital para preservar o nome da família, mas chega um ponto que você vai ficando com medo, hoje eu tenho um filho, preciso buscar ajuda senão eu vou morrer, eu não posso morrer, tem gente que precisa de mim”, desabafa. 

Entre os efeitos colaterais da droga, Allan destaca a Síndrome do Pânico. Foi justamente uma dessas crises que o fez pedir ajuda nas redes sociais. “A última vez que usei foi entre o sábado, 16 e domingo, 17. Estava só em casa, foi quando eu vi que ia morrer sozinho, não tinha ninguém para pedir socorro. Foi quando desabafei, sabia que ia levar porrada de todo lado, mas era o único jeito, depois daquilo ali só melhorou”, disse. 

“Eu não consigo guardar uma coisa me aflige, e estava me afligindo já faz tempo, já tinha tentando parar outras vezes, e sempre havia recaída, passei vários meses na igreja (a mulher de Allan é evangélica), mas eu sempre fazia testes: ‘vou tomar uma cerveja hoje para ver se eu sou forte’, mas sempre caía. Nunca consegui resistir, por isso que disse que tudo começa num copo de cerveja. O álcool abre as portas para tudo de ruim”, pontua. 

“Falsa alegria e falsos amigos” 

Ainda sobre os efeitos causados pela cocaína, Allan revela que a sensação no momento do consumo era de “falsa alegria”. “Eu não ficava violento, pelo contrário, só fazia rir, e tirava meu sono, mas quando passava o efeito me perguntava: ‘Meu Deus, porque eu faço isso?’”, questionava-se. 

Para Allan, o uso de cocaína está diretamente atrelado ao consumo de álcool. “Nunca fumei cigarro, maconha, nunca usei crack, mas a bebida é um problema. A droga é muito sedutora, quando você está bebendo, dá vontade, não posso voltar a beber. Sou alcoólatra, tenho que colocar na minha cabeça que não posso beber mais”, afirmou. 

O empresário reclama ainda dos “falsos amigos” que a vida boêmia apresenta.“Na sociedade, onde a gente chega é bajulado, a mesa é sempre farta, mas amigo mesmo você não tem, agora quando você tem estrutura para farrear nunca vai faltar amigo para você, esse tipo de amigo falso nunca me faltou”

Após a postagem no Facebook, os verdadeiros amigos de Allan se revelaram. “Fiquei surpreso ao ver quantos amigos de infância me mandaram mensagem, pessoas que eu não via há 10, 20 anos, esses são os amigos de verdade, os de agora não vejo um mandar mensagem, ninguém tem coragem de mostrar a cara”, lamentou. 

Tratamento

Hoje, o empresário já está se medicando para evitar o consumo de álcool. No próximo dia 24, Allan também inicia o tratamento contra o vício em cocaína, em Mossoró. “Em termo de tratamento essa é a primeira vez, vou entrar em um tratamento químico forte. Já busquei ajuda através da fé, mas sempre recaía, e ficava até com vergonha, sou muito autocrítico, quando faço algo que não gosto fico me punindo”

Família e futuro 

Casado pela segunda vez (o primeiro casamento acabou, entre outros motivos, pelo problema de Allan com as “farras” e a droga), o empresário espera agora uma recuperação plena, com o auxílio da família. 

“Esse assunto era um tabu lá em casa, foi até bom, porque viram que isso pode acontecer com qualquer um, em todas as classes sociais. Espero agora uma vida melhor, sair disso. Não indico para ninguém. É o fim de vida, de curso. Você imagine para uma pessoa que não tem condições de se tratar, que não tem apoio da família? Minha família está em peso comigo, todo mundo de braços abertos”, concluiu, deixando uma mensagem para os jovens:

Josemario Alves / Plantão Caicó 

Fenômeno La Niña pode trazer boas chuvas em 2017

De acordo com as últimas análises feitas pelo setor de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn), as previsões de inverno para 2017 são bem melhores do que as dos últimos cinco anos, período em que o RN vem amargando prejuízos causados por uma forte seca até então ininterrupta. O prognóstico desmente boatos que vem circulando nas redes sociais de que o Rio Grande do Norte deve enfrentar mais um ano de seca em 2017.

Para Gilmar Bristot, gerente de meteorologia da Emparn, o grande responsável por essa possível mudança de quadro é a atuação do Fenômeno La Niña no Oceano Pacífico que, diferentemente do El Niño, deve contribuir para a ocorrência de chuvas em toda a Região Nordeste no primeiro semestre de 2017.

Polícia Civil prende suspeito de estuprar três mulheres


Policiais civis da Delegacia de Pedro Velho prenderam, na tarde desta quarta-feira (19), Alexsandro da Costa, vulgo “Galego”, 39 anos, suspeito de ter estuprado três mulheres na cidade de São José de Mipibu em 2014. A prisão foi realizada através de cumprimento de mandado de prisão preventiva. Após os crimes, Alexsandro teria fugido da cidade, estando foragido. Ele foi preso e encaminhado ao sistema prisional, onde ficará a disposição da Justiça.

PERIGO: Rompimento entre maiores facções do Rio e São Paulo acende alerta para confrontos

O rompimento entre as duas maiores facções criminosas do Rio e de São Paulo pode deflagar uma guerra por territórios em terras fluminenses. Após a cisão, os paulistas aliaram-se a uma das quadrilhas rivais ao grupo carioca. Fontes da área de segurança ouvidas pelo EXTRA apontam que a iminência de confrontos preocupa as autoridades do Rio.

O temor é de que o grupo de São Paulo auxilie com armas e dinheiro os novos comparsas nas disputas com as outras facções, principalmente a antiga aliada dos paulistas. Acredita-se ainda que haverá apoio para a prática de outros crimes, principalmente os roubos.

— O pessoal de São Paulo atua não só no tráfico, mas também nos crimes contra o patrimônio. A facção à qual eles se aliaram também atua muito nessa área. Com a facção antiga, o acordo ficava mais na questão financeira — explicou um policial civil.

A aliança entre os maiores grupos do Rio e São Paulo existia desde 2002, quando elaboraram um estatuto juntos. O maior interesse do grupo paulista sempre foi no fornecimento de drogas e armas para os cariocas e todo o país.

— A facção de São Paulo é considerada uma grande empresa, com interesse total voltado para o lucro. O grupo do Rio que se aliou a eles terá preços de drogas extremamente competitivos e por isso a tendência é que haja grande briga pelo mercado de entorpecentes — analisa um inspetor penitenciário.

Desde o último fim de semana, cerca de cem presos da facção paulista que estão no Rio pediram transferência para unidades prisionais destinada a detentos da quadrilha à qual se associaram.

— Com a transferência, não resta dúvidas da aliança. As negociações ocorreram em presídio federal, onde estão os principais chefes — diz o inspetor.

Reflexos na fronteira

O fim do acordo entre as duas maiores facções do Rio e de São Paulo tem gerado temor em todo país. Na noite de domingo, 18 presos foram mortos em presídios de Roraima e Rondônia por causa da guerra entre os grupos.

Os detentos fizeram um buraco no muro para chegar aos desafetos Foto: Divulgação

O secretário de Administração Penitenciária de São Paulo, Lourival Gomes, afirmou que o clima de harmonia que predominava entre as facções dos dois estados acabou:

— Agora a guerra recomeçou. Então, cabe a cada estado, a cada administrador, tomar as suas providências e resolver o seu problema dentro do seu estado.

O racha também deve refletir na fronteira do Brasil com o Paraguai, onde as duas facções disputam as rotas de contrabando de armas e drogas.

—A facção paulista é infinitas vezes mais forte do que os cariocas aqui na fronteira. Agora, vão querer tomar tudo. O grupo de São Paulo não gosta de fazer alianças. Eles estão junto de quem faz bons negócios. Estamos aguardando e acompanhando as informações sobre mudanças — avalia o delegado federal Edgard Paulo Marcon, adido no Paraguai.

Reflexos pelo brasil

Dez detentos foram mortos na Penitenciária Agrícola de Monte Cisto, em Boa Vista, Roraima na madrugada de anteontem após briga das facções.

Há cerca de um mês, 103 detentos da facção carioca pediram transferência para o chamado seguro, onde ficam separados, por medo dos antigos aliados do grupo paulista. A requisição foi aceita, mas não evitou o confronto.

Para chegar até os rivais, os presos da facção paulista abriram buracos nos muros e paredes das alas.

Na Penitenciária Ênio dos Santos Pinheiro, em Rondônia, outros oito presos também foram mortos por causa do fim da aliança, que já durava 14 anos. Após as mortes, 80 presos foram transferidos para evitar mais confrontos.

A morte do traficante Jorge Rafaat Toumani, na fronteira do Paraguai, marcou o início da disputa entre as facções. Outro fator apontado como possível motivo para o rompimento entre as facções é o fato de a quadrilha do Rio promover “batismos” de detentos de outros estados, dentro das unidades prisionais, alguns deles desafetos do grupo paulista. Os batismos ocorrem principalmente nos presídios do Norte e Nordeste do país.

Governo apresenta sugestões para emendas parlamentares no total de R$ 426,5 milhões

O governo do Estado levou à Brasília uma carteira sugestiva com 13 propostas de emendas parlamentares para serem incluídas ao Orçamento Geral da União (OGU) 2017. As sugestões apresentadas na tarde desta terça-feira, 18, na Câmara dos Deputados, contemplam os setores de Saúde, Segurança, Recursos Hídricos e Assistência Social, totalizando R$ 426,5 milhões.

Uma nova reunião será realizada amanhã, 19, para definir quais emendas serão acatadas pela bancada federal. “Aproveitamos esta reunião para trazer os problemas essenciais que mais afligem a população do Rio Grande do Norte”, assinalou Robinson.

Nas listas de projetos, estão a construção e reforma de unidades prisionais, a implantação do Programa Transporte Cidadão na Região Metropolitana de Natal, o aparelhamento e reforma de Unidades Públicas de Saúde e a implantação de sistemas de Abastecimento de Água na área de abrangência do Projeto de Integração do Rio São Francisco, entre outras.
O governo do Estado levou à Brasília uma carteira sugestiva com 13 propostas de emendas parlamentares para serem incluídas ao Orçamento Geral da União (OGU) 2017. As sugestões apresentadas na tarde desta terça-feira, 18, na Câmara dos Deputados, contemplam os setores de Saúde, Segurança, Recursos Hídricos e Assistência Social, totalizando R$ 426,5 milhões.

Uma nova reunião será realizada amanhã, 19, para definir quais emendas serão acatadas pela bancada federal. “Aproveitamos esta reunião para trazer os problemas essenciais que mais afligem a população do Rio Grande do Norte”, assinalou Robinson.

Nas listas de projetos, estão a construção e reforma de unidades prisionais, a implantação do Programa Transporte Cidadão na Região Metropolitana de Natal, o aparelhamento e reforma de Unidades Públicas de Saúde e a implantação de sistemas de Abastecimento de Água na área de abrangência do Projeto de Integração do Rio São Francisco, entre outras.

Compre sua casa financiada pelo banco


Vende-se casa pronta para morar recém construída na Rua Professor Manoel Fernandes, 260,  Bairro Maynard, escriturada e pronta para receber toda a sua família. O imóvel possui 3 quartos, sendo uma suite, banheiro social, sala, cozinha, área de serviço e garagem.

Pode ser financiada pelo banco.

Valor da Residência R$ 135 mil.

Interessados podem entrar em contato com o corretor Carlos Eduardo - CRECI 5408/RN - pe