segunda-feira, 7 de novembro de 2016


Seca de 5 anos esvazia reservatórios e põe Nordeste em emergência

Com uma inflamação nos joelhos, a lavradora Maria Nascimento da Silva, 72, não consegue mais carregar latas e galões de água na cabeça, como fez por toda a vida.

Depois de ver os filhos se mudarem para cidades como Salvador e Candeias, na região metropolitana da capital baiana, hoje mora só com uma neta de nove anos na zona rural de Santa Bárbara, porta de entrada do sertão da Bahia.

Numa sexta-feira de clima abafado, ela foi uma das moradoras que seguiam em romaria à prefeitura para fazer o mesmo pedido: que o carro-pipa do Exército, recém-chegado, visitasse a sua casa e abastecesse a cisterna.

Assim como Santa Bárbara, uma em cada duas cidades do Nordeste está em estado de emergência por causa da seca, que chega ao seu quinto ano consecutivo na região.

 

Dados do Monitor de Secas do Nordeste do Brasil, elaborado pela Funceme (Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos), mostra que a estiagem chegou em setembro ao estágio mais severo dos últimos 12 meses.

"O único registro de cinco anos seguidos de seca nos últimos 100 anos foi entre 1979 e 1983. Mesmo assim, a atual já é pior, pois tivemos menos chuva", afirma Raul Fritz, meteorologista da Funceme.

Quase 100% do território nordestino enfrenta um cenário de seca, mesmo nas faixas litorâneas, com impactos como perda das lavouras, morte dos rebanhos e esvaziamento dos reservatórios de água.

Maior reservatório do Nordeste, Sobradinho –que fica no rio São Francisco– está com 7,1% de sua capacidade e pode chegar ao volume morto até o final deste ano. No Ceará, o Castanhão, reservatório que abastece Fortaleza, chegou a 5% da capacidade.

Barragens de pequeno e médio porte também secaram. O resultado são 280 cidades de seis Estados enfrentando racionamento ou em colapso no abastecimento.

O cenário mais grave é o da Paraíba, onde 118 cidades estão com problemas no abastecimento. Destas, 30 cidades estão em colapso e dependem de poços ou carros-pipa.

O Ministério da Integração Nacional atualmente atende a 824 municípios em área de seca com carros-pipa, ao custo de R$ 86,8 milhões por mês.

Brasil perde mais de 1 milhão de linhas móveis em setembro

Dados divulgados pela Anatel nesta segunda-feira, 7, mostram que no mês de setembro as operadoras registraram uma queda de mais de 1.053.072 linhas móveis em relação ao mês anterior, atingindo as 251 milhões de linhas.

No período, as linhas pré-pagas corresponderam a 69,5% do total, cerca de 174 milhões, enquanto as pós-pagas representaram 30,5%, cerca de 76,5 milhões.

Em relação a agosto deste ano, a queda é de 0,42%. Ao comparar os número com o mês de setembro do ano passado, a redução é de 9%.

É possível acessar os dados completos por operadora, DDD, unidade de federação, tecnologia e tipo de plano aqui.

Em crise, Rio Grande do Norte terá dificuldades para pagar 13º de servidores, diz jornal

Pressionados pela grave crise fiscal, governadores cobram do Palácio do Planalto uma ajuda emergencial da União para terminar o ano e conseguir pagar o 13º salário dos servidores públicos. Pelo menos três estados — Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte — estão com sérias dificuldades para honrar essas despesas. Outras unidades da federação também enfrentam problemas e já tiveram de atrasar ou parcelar salários nos últimos meses.

É o caso, por exemplo, de Minas Gerais e do Distrito Federal. Um dos principais argumentos apresentados pelos governadores é que o não pagamento do benefício causaria uma onda de pessimismo no país, pois a gratificação contribui para movimentar a economia no fim do ano. Eles alegam que isso teria impacto negativo para os setores de comércio e serviços.

Integrantes da equipe econômica reconhecem o drama dos estados, mas afirmam que não há como colocar mais dinheiro nas mãos dos governadores, pois o problema é estrutural. Eles afirmam que o caminho a seguir é implementar programas de ajuste fiscal que reequilibrem as contas regionais. Os estados, por sua vez, rebatem que esse tipo de ação não resolverá as dificuldades até o fim de 2016.

As 22 medidas fiscais anunciadas pelo Rio de Janeiro na sexta-feira, como aumento da contribuição previdenciária de servidores, cortes de secretarias, cargos comissionados e programas sociais, por exemplo, começarão a ter efeito a partir de 2017. Segundo o secretário de Fazenda do estado, Gustavo Barbosa, o resultado desejado só virá a partir de 2022.

Técnicos da área econômica ouvidos pelo GLOBO elogiaram o pacote do governo fluminense e disseram que, pela primeira vez, o estado “está pagando o ônus político do ajuste”. Eles lembram que a União também está com problemas para fechar suas contas e que transferir recursos ou dar aval do Tesouro Nacional a mais empréstimos para governadores sem condições financeiras é “prejudicar o global em detrimento de alguns”.

SOLUÇÃO POLÍTICA NÃO ESTÁ DESCARTADA

Mesmo assim, interlocutores do governo federal afirmam que o Planalto está sensível às demandas e que “uma solução política não está descartada”. O formato dessa saída não está definido. As propostas dos governadores são as mais variadas. Um grupo defende até mesmo um socorro do BNDES para quem precisar de ajuda para quitar o 13º salário.

Uma dificuldade, porém, é que o banco de fomento não pode emprestar recursos para financiar despesas de custeio. A ideia é que os empréstimos do BNDES fossem usados para pagar despesas de capital (como a dívida externa tomada para investimentos) e, assim, desonerar os tesouros estaduais para pagar os servidores. Seria uma nova edição do Programa Especial de Financiamento (PEF), mecanismo usado em 2009 e 2011 para socorrer estados.

Procurado, o BNDES disse desconhecer qualquer solicitação nesse sentido, mas afirmou que, como órgão de governo, está aberto a estudar alguma solução, “desde que inserida na política econômica global do governo”.

CENÁRIO POTIGUAR

No Rio Grande do Norte, há atrasos nos salários, e o secretário de Fazenda do estado, André Horta, afirmou que o 13º depende de quanto será repassado aos governos regionais pelo programa de repatriação de recursos e de receitas adicionais que estão sendo buscadas. Ele explicou que a frustração de receitas no Rio Grande do Norte chega a R$ 800 milhões, sendo que a repatriação deve render R$ 300 milhões. Ou seja, ainda ficam faltando R$ 500 milhões para fechar as contas.

A repatriação, que rendeu R$ 50,9 bilhões à União, será partilhada com estados e municípios. A equipe econômica alega que apenas o que foi obtido com Imposto de Renda (IR) deve ser dividido, o que equivale a R$ 12,7 bilhões. No entanto, 12 estados procuraram o STF para pedir que o valor arrecadado com a multa também seja dividido com os governadores.

Saiba o valor da 2º parcela do 13º de quem recebe

O 13º salário dos segurados do INSS que estão recebendo auxílio-doença será pago a partir do dia 24, acompanhando o calendário de depósitos mensais dos benefícios previdenciários.

O auxílio-doença é devido a trabalhadores impossibilitados de exercer atividades profissionais por motivo de doença ou acidente.

Apesar de ser a segunda parte de um bônus equivalente à renda mensal do beneficiário, a grana que vai cair na conta desses segurados nem sempre será igual à metade do salário deles.

O bônus deve superar 50% do valor do benefício para pagamentos iniciados até os primeiros cinco meses deste ano e que continuam ativos.

agora.uol.com.br

Bancos já liberam uso de nome social em cartão de crédito

Dignidade. Barbara Aires segura o cartão de crédito com seu nome social: “O comércio passa a me dar credibilidade” - Reprodução

Atentos à demanda de clientes, alguns bancos e administradoras de cartão de crédito já passam a permitir o uso do nome social em seus cartões, sem exigir que o nome de batismo tenha sido alterado em cartório. Para o movimento LGBT (Lésbicas, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros), a prática é uma vitória na luta pela aceitação da diversidade.

Quase 1 milhão pode sacar o abono salarial

Ao todo, 948 mil trabalhadores devem sacar o abono-salarial do PIS/Pasep, ano-base 2014, até o dia 30 de dezembro. Mais de R$ 872 milhões estão disponíveis na rede bancária e casas lotéricas para o saque.

O prazo foi prorrogado pelo Ministério do Trabalho, por meio da Resolução nº 771/2016, de 28 de julho. A medida já beneficiou 256.797 pessoas, que retiraram o dinheiro até 1º de novembro.

De acordo com balanço divulgado pelo Ministério do Trabalho, a maioria com direito a saque é formada por trabalhadores que têm direito ao PIS, num total de 758 mil pessoas, que podem retirar R$ 758 mil. O saque disponível para o Pasep soma R$ 184 mil para 190 mil servidores públicos.

COMO SABER

Para saber se tem direito ao abono, o trabalhador pode fazer a consulta pela internet. Basta inserir o CPF ou o número do PIS/Pasep, com a data de nascimento.

PARA ENTENDER

O abono é um direito do trabalhador que está inscrito no PIS/Pasep por pelo menos cinco anos; tenha trabalhado no mínimo 30 dias em 2014, com remuneração mensal média de até 2 salários mínimos.

É importante ter os dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS). O recurso que não for sacado será devolvido ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

(Portal Brasil)

Galeria: o jatinho privado de Lewis Hamilton

Lewis Hamilton tem um jatinho com o qual viaja para todas as corridas da temporada de Fórmula 1. Trata-se de um Bombardier Challenger 605, construído em 1978. A aeronave, com duas turbinas, é do britânico desde os quatro anos de idade e atinge velocidade máxima acima dos 850 km/h e leva até 19 passageiros.

O avião do piloto tem preço estimado em aproximadamente € 22 milhões - cerca de R$ 79 milhões. Para ter o avião em funcionamento, Hamilton precisa desembolsar anualmente a quantia de € 3,6 milhões (R$ 12 milhões), com cada hora de voo custando cerca de € 9 mil (R$ 32 mil).  

Curiosamente, a matrícula de identificação da aeronave é G-LCDH, que corresponde às iniciais do nome completo do piloto da Mercedes - Lewis Carl Davidson Hamilton.

Fátima evita Bonner em gravação da Globo

Fátima evita Bonner em gravação da Globo

Parece que o casamento de Fátima Bernardes e William Bonner não terminou da melhor forma. A âncora do “Encontro” fez de tudo para evitar contato com o ex-marido durante a gravação da vinheta de fim de ano da TV Globo, no último domingo (6).

A apresentadora deixou claro a todo mundo que não queria ficar próxima ao antigo companheiro durante o evento, segundo o blog do jornalista Fabíola Reipert.

Em seu Instagram, a famosa surgiu ao lado de atores, produtores e jornalistas. No entanto, o âncora do “Jornal Nacional” não apareceu nos cliques.

Bonner, inclusive, não apareceu em imagens postadas pelo resto do elenco nas redes sociais.