Restaurante da zona sul do Rio São suspeitos de fornecer comida a presos da Lava Jato

17:34:00



Três restaurantes da Zona Sul do Rio de Janeiro são suspeitos de fornecerem alimentos “gourmet” para presos da Lava Jato no Rio. A informação é da promotora do Ministério Público estadual Elisa Fraga, que conversou com exclusividade com a GloboNews, conforme reportagem exibida neste sábado (25).


“Nós recebemos uma informação de que estavam ingressando alimentos oriundos de restaurantes para a alimentação dos presos das operações Calicute, Lava Jato, C’est Fini”, afirmou a promotora.


Entre os alimentos que entraram de forma irregular Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na Zona Nortena, estão camarão, bacalhau, queijo de cabra, presunto importado e risoto de frango. Todas as comidas foram apreendidas por promotores nesta sexta-feira (24).

No presídio estão presos o ex-governador Sérgio Cabral, além do presidente afastado da Assembleia Legislativa, Jorge Picciani, e os deputados também afastados Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB.

Até esta sexta, também estava preso em Benfica o ex-governador Antonhy Garotinho, mas ele foi transferido para o Complexo de Gericinó, em Bangu, como punição da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) por supostamente se “autolesionar”.

Segundo explicou a promotora, das celas 1 a 9 do presídio – onde estão os detentos da Lava Jato – havia embalagens similares, com alimentos também parecidos. Isso reforça a suspeita do MP de que os fornecedores das comidas seriam os mesmos.

A representante do MP também explicou que é permitido, segundo resolução da Seap, que parentes levem para os detentos refeições prontas dentro das cadeias. Mas, alimentos in natura, ou seja, que ainda não estão cozidos, como é o caso dos camarões, estes são proibidos.

G1

Leia Também...

0 comentários