domingo, 29 de janeiro de 2017


Polícia retoma controle do presídio em Alcaçuz


Agentes penitenciários e policiais militares do Grupo de Operações Especiais (GOE) realizaram uma operação na Penitenciária Estadual de Alcaçuz para retomar o controle dos pavilhões 4 e 5 do presídio. Os locais estavam ocupados por presos integrantes de uma facção criminosa. A crise no presídio de Alcaçuz teve início no dia 14 de janeiro, quando 26 presos foram mortos em decorrência de um confronto entre membros do PCC (Primeiro Comando da Capital) e do Sindicato do Crime do RN. Após a ação, uma bandeira do Brasil e outra do Rio Grande do Norte foram hasteadas onde antes ficavam as bandeiras das facções. Durante revista nos pavilhões, os agentes encontraram um revólver, drogas, diversos celulares e mais de 500 facas artesanais.

Agente de Polícia Civil é morto dentro da Delegacia na Cidade de Patos-PB

Um fato grave foi registrado no final da manhã deste domingo (29), na Cidade de Patos-PB, Segundo informações, um agente de polícia foi morto a tiros de pistola, por volta de 11h00min, deste domingo (29), dentro da Delegacia de Homicídio, localizada no bairro da Maternidade aqui em Patos.

O acusado seria um preso que teria tido acesso a arma do delegado, e disparado a queima roupa no agente, Klaus Cruz Lima, que teve morte instantânea. Após o disparo, o preso foi alvejado, socorrido em seguida para o Hospital Regional de Patos, porém não resisitiu e morreu logo em seguida.

O acusado estava na delegacia juntamente com um camporsa, sendo ouvido pelo delegado. Foi quando teve acesso a arma, e efetuou o disparo. Há informação que houve troca de tiros em seguida, culminando com a morte do preso, conforme narrado acima.

Patosonline / Plantão Caicó

Agentes encontram cinco armas e espingardas artesanais em Alcaçuz

Os agentes penitenciários da Força Tarefa de Intervenção Penitenciária encontraram mais armas de fogo dentro do Pavilhão 5 de Alcaçuz. Durante uma revista feita na madrugada deste domingo (29), eles apreenderam três revólveres, uma pistola, uma mini pistola e ainda três espingardas calibre 12 feitas artesanalmente pelos próprios presos.

Além disso, os agentes também apreenderam diversas munições, de calibre 32, calibre 38, calibre 380, calibre 635 e calibre 12. O secretário de Justiça e Cidadania do Rio Grande do Norte, Wallber Virgolino, confirmou ao G1 a informação e disse que a revista feita nesta madrugada resultou ainda na apreensão de celulares.

Contêineres vão abrigar detentos até desativação total de Alcaçuz na Grande Natal


Do G1 RN

Alguns contêiners já fazem a divisão dos pavilhões 4 e 5 de Alcaçuz (Foto: Fred Carvalho - G1/RN)

A Penitenciária estadual de Alcaçuz, localizada em Nísia Floresta, deve ser desativada até o final de 2017, afirmou o governador Robinson Farias na última quarta-feira (25). Na ocasião, ele disse que seriam tomadas medidas mínimas necessárias para manter o presídio até a transferência definitiva dos presos. Nesta sexta-feira (27), o Gorverno do Rio Grande do Norte confirmou uma dessas medidas ao assinar um termo para o aluguel de 50 módulos habitáveis que serão adaptados para servirem de cela, até a destruição parcial da estrutura do presídio.

"A construção de Alcaçuz naquele local foi um grande equívoco naquele local, porque é uma área de geografia turística", afirmou Faria. Ainda segundo o governador, três presídios serão feitos de forma modular, para adiantar a entrega. A Cadeia Pública de Ceará-Mirim, na região metropolitana de Natal, é a única que já está em construção, terá três pavilhões e capacidade para 603 detentos. 

Os contêineres alugados terá capacidade para 20 presos cada um, totalizando 1.000 vagas. Segundo levantamento feito na terça-feira (24), após intervenção da Força-Tarefa, existem 1228 detentos na penitenciária. A Secretaria de Justiça e Cidadania do Rio Grande do Norte (Sejuc) divulgou na quarta-feira (25) que pelo menos 56 presos fugiram, quatro deles já foram recapturados, e 26 morreram.

Contrução de muro provisório
Alguns contêineres já foram instalados no presídio com o objetivo de separar o dominío das facções rivais -  PCC e Sindicado do RN. Esse muro, posteriormente, será substituído por um de concreto. Toda a ação custará R$ 794 mil ao estado.