quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017


Viagem com conforto e segurança


Caicó - Natal - Caicó é com Inacinho Viagens.

De Segunda a Sábado

Caicó - Natal 3:00h e 14:00h
Natal - Caicó 02h40 min e 13:00h

Domingos

Caicó - Natal 14:00h
Natal - Caicó 14:00h

Disque viagens 84 - 9.9951-3565 / 84 - 9.8718-4140 / 84 - 3421-1920

Governador volta atrás e afirma que não pretende construir mais um presídio em Mossoró



O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, declarou nas redes sociais na noite da quarta-feira, 1º de janeiro, que não pretende construir mais um presídio Estadual em Mossoró. A construção de mais uma unidade prisional na cidade havia sido defendida pelo secretário de Estado da Justiça e Cidadania, Walber Virgolino, durante visita em Mossoró no dia 11 de janeiro.

“Esclareço aos mossoroenses que não considero em hipótese nenhuma construir um presídio estadual na cidade”, afirmou Robinson Faria no Twitter.

Durante a rebelião dos detentos na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, o Governo do Estado informou que a unidade seria desativada e os presos transferidos para unidades prisionais a serem construídas nas cidades de Ceará-Mirim, Afonso-Bezerra e Mossoró, que, juntas, teriam capacidade para receber 2.200 presos.

Na visita a Mossoró no mês passado, o secretário Walber Virgolino havia afirmado que o Governo analisava a construção de um novo presídio na cidade, pois há um terreno do Estado na área próxima à Penitenciária Agrícola Dr Mário Negócio com tamanho o suficiente para abrigar outra unidade prisional.

Reações da classe política

A possibilidade de que Mossoró receba mais uma unidade prisional, visto que a cidade já possui um Presídio Federal, uma Penitenciária, um Centro de Detenção e uma Cadeia Pública, desagradou a população e alguns políticos.

“Em reunião com o secretário estadual de Justiça e Cidadania, Wallber Virgolino, solicitei que o novo presídio a ser construído pelo Governo do Estado não seja direcionado para Mossoró. A cada unidade prisional instalada, os índices de violência aumentam. Os presídios devem ser construídos longe dos centros urbanos. Estarei na luta para evitar que Mossoró receba este presente de grego. Não precisamos de mais um presídio. O secretário afirmou que não existe a mínima possibilidade de o presídio ser construído na nossa cidade”, afirmou o deputado federal Beto Rosado.

Entre os políticos que se posicionaram contra a construção de mais uma unidade prisional na cidade está a presidente da Câmara Municipal de Mossoró, Izabel Montenegro.

“Quero aqui externar minha opinião sobre a vinda de mais uma unidade prisional para Mossoró: Sou totalmente contra, como fui quando a Governadora Vilma de Faria trouxe o Presidio Federal, de segurança máxima, para o nosso Município, fiz pronunciamento na Tribuna da Câmara e dei entrevistas mostrando que iria trazer mais violência”, escreveu a parlamentar pedindo que todos sejam contrários a vinda de um novo presídio para Mossoró. Estaremos de braços dados com a população para coibir esse absurdo! Queremos para Mossoró mais empregos, que seja reativada a Porcelanatti, a Fábrica de Tintas Cruz Color, a fábrica de Tecidos Líder, a Aficel e as dezenas de empresas prestadoras de serviços a Petrobrás!”, publicou a vereadora.

JBS fecha unidade com 210 funcionários

O frigorífico do grupo JBS em Coxim encerrou as atividades hoje. A unidade tem capacidade de abater entre 400 a 600 animais por dia e empregava mais de 200 pessoas.

O Sindicato Rural da cidade confirmou o fechamento e divulgou que a medida também impacta mais de 300 criadores de animais. Todos esses pecuaristas tinham sua produção vendida para o frigorífico. Sem a empresa, eles precisarão procurar outro comprador e o mais próximo é em São Gabriel do Oeste, que fica a pouco mais de 130 quilômetros de Coxim.

Na quinta-feira passada (23), a entidade, produtores, a empresa e representantes do poder público reuniram-se para tentar encontrar uma solução para o não fechamento do frigorífico. "Não houve acordo e aconteceu o encerramento oficial hoje. A empresa já vinha diminuído as atividades desde setembro e em novembro tivemos a informação que houve demissões", explicou o gerente administrativo do Sindicato Rural de Coxim, Eduardo Ferreira Coutinho.

A empresa havia arrendado a estrutura da River Alimentos em abril de 2012. Na época, o grupo estava em expansão e em dois meses arrendou cinco frigoríficos em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, criando capacidade de abate de 4,5 mil cabeças. A JBS sofreu críticas por dominar o mercado e ditar o preço da carne.

"Esperamos que haja alguma intermediação para que outra empresa assuma a unidade. Mas por enquanto não temos informação sobre isso", apontou Coutinho.

INTERMEDIAÇÃO

O prefeito de Coxim, Aluizio São José (PSB), disse hoje que por volta do meio-dia realizou uma vídeo-conferência com a diretoria da JBS para tentar verificar a possibilidade de novas negociações para manter a planta em funcionamento.

"Vamos ter uma reunião daqui cerca de 15 dias e quem sabe rever essa situação. Para gente é prioridade reabrir essa indústria. Estamos preocupados com os impactos diretos e indiretos que podem gerar esse fechamento", explicou o chefe do Executivo.

À prefeitura, a empresa informou que tem 210 funcionários e ofereceu transferência para outras unidades. Quem não aceitar, será demitido. Independente da medida, o impacto para a cidade permanece porque a empresa não estará mais no município.

MOTIVO

Em nota, o grupo alegou que o contrato de sublocação da unidade encerrou e não houve acordo com a locatária, no caso a River Alimentos Ltda. "Não foi possível chegar a um acordo que permitisse a manutenção da operação em Coxim", divulgou.

Durante a reunião com integrantes da Prefeitura de Coxim hoje, a diretoria da JBS informou que a variação do dólar, bem como o consumo interno que caiu nos últimos meses impactaram na operação da planta e por isso ocorreu o fechamento.


Nova revista em Alcaçuz apreende mais de 600 armas artesanais

Em meio à crise carcerária que o país enfrenta, parece que os problemas em unidades prisionais tendem a aumentar. Durante uma revista na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, nessa quarta-feira (1), mais de 600 armas artesanais foram encontradas, além de celulares e drogas.

Materiais com machados, facões e lanças feitas com barras e chapas de ferro arrancadas de celas foram apreendidas pela polícia. O G1 divulgou imagens dos produtos confiscados e o trabalho realizado pelos agentes penitenciários.

“Cumprimos com sucesso nossa missão”, disse Leonardo Alves, diretor do Grupo de Operações Especiais (GOE). A revista foi realizada nos pavilhões 1, 2 e 3 de Alcaçuz.

Bombeiros e policiais militares realizarão protesto no próximo dia 14 de fevereiro

Com o objetivo de reivindicar os direitos negados pelo Governo do Estado, os Militares Estaduais do Rio Grande do Norte decidiram realizar uma mobilização no dia 14 de fevereiro em frente à Governadoria. A decisão foi tomada em Assembleia Geral Extraordinária na tarde desta quarta-feira (1) na sede da Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais e Bombeiros Militares do RN (ASSPMBMRN), junto com as demais associações.

De acordo com o Subtenente Eliabe Marques, presidente da ASSPMBMRN, as principais reivindicações da categoria são as escalas de serviço reduzidas, o não cumprimento do calendário de pagamento, e o atraso no pagamento e publicação de promoções. “A crise no sistema penitenciário exigiu ainda mais nosso empenho e trabalho em prol da sociedade potiguar. Em contrapartida, não recebemos do Governo o reconhecimento e ações de melhorias para um serviço de qualidade”, argumenta o presidente.

Eliabe Marques explica que desde fevereiro de 2016 o Governo do Estado não cumpre com o art. 28 da Constituição Estadual, que estabelece o último dia de cada mês para o pagamento de salário. Já as folgas que deveriam ser de 72h foram reduzidas para 48h temporariamente, no entanto, o Governo pretende prorrogar o tempo com esta escala. Enquanto isso, as promoções dos Militares de agosto de 2016 não foram pagas, e as promoções de dezembro de 2016 não foram sequer publicadas.

Agora RN  / Plantão Caicó

Carnaval de ofertas na LK MULTIMARCAS em Caicó


Bermuda Premium PoloVip 
Várias cores nos tamanhos 38 ao 52
De R$ 85,00
Por R$ 69,90 
Na @LKMULTIMARCAS

Qualidade topppp

LK MULTIMARCAS é em EDISOM

Rua Renato Dantas 643 prox a Farmácia Pague Menos no Centro de Caicó

Ex-primeira-dama Marisa Letícia tem morte cerebral após AVC


Do Uol – A ex-primeira-dama e mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, dona Marisa Letícia Lula da Silva, 66, teve morte cerebral nesta quinta-feira (2) em razão de complicações causadas por um AVC (Acidente Vascular Cerebral) hemorrágico. Ela estava internada em estado grave no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, desde 24 de janeiro, mas o quadro acabou se agravando na tarde desta quarta (1º), com a redução da atividade cerebral.

Na terça (31), em razão de uma considerável melhora apresentada pela ex-primeira-dama, os médicos chegaram a retirar os sedativos que a mantinham em coma induzido, mas ela não teria reagido bem, voltando a ser sedada. Além do filho de seu primeiro casamento, Marcos, adotado por Lula, Marisa deixa os filhos Fábio, Sandro, Luís Cláudio, a enteada Lurian (filha do ex-presidente com uma ex-namorada), e o marido, Luiz Inácio Lula da Silva. Os dois foram casados por 43 anos.

Quadrilha explode caixas de banco, saqueia lojas e rouba carros no interior do RN

Pelo menos 10 homens, todos vestidos com roupas pretas e encapuzados, causaram terror em Umarizal, cidade da região Oeste potiguar. Na madrugada desta quinta-feira (2), a quadrilha usou dinamite para arrombar os terminais do Banco da Brasil, saqueou lojas e ainda roubou carros. Na fuga, grampos foram espalhados pelas estradas e uma caminhonete foi queimada sobre uma ponte para impedir que a polícia partisse em perseguição.

Segundo a PM, toda a ação durou quase uma hora. Começou logo após a meia-noite, quando os criminosos chegaram à cidade e explodiram os caixas do banco. Não há informações se os assaltantes conseguiram levar algum dinheiro dos terminais.

Na fuga, ainda de acordo com a polícia, parte do bando atirou contra a fachadas de duas lojas e saqueou roupas e calçados. Para escapar, carros de duas casas foram roubados. Um deles, uma caminhonete, chegou a ser incendiado sobre uma ponte para impedir uma eventual perseguição.

Grampos de ferro também foram espalhados pelas estradas que dão acesso à cidade. Pontiagudos, os grampos são usados para furar os pneus dos carros. Assim, a polícia também teve dificuldade de partir em busca dos bandidos, que conseguiram ir embora.


Carreta bi-trem tomba na Serra de Teixeira com carga avaliada em 1 Milhão de reais


Por volta das 13 horas da tarde desta quarta-feira, dia 1º de fevereiro, uma carreta de marca Scania, de cor azul placas, AJG 1895 – Cianorte-PR, tombou na Serra do Teixeira na região da curva conhecida como “Apertado da Hora”.

A carreta estava transportando uma carga de cigarros contrabandeada proveniente do Paraguai avaliada em R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais).

Em menos de 6 minutos após o acidente, a Polícia Militar foi acionada e chegando imediatamente ao local o motorista não foi encontrado e o Capitão Lima Filho foi informado que logo atrás do caminhão estaria vindo um automóvel corolla de cor azul, que leva a suposição de que seria um carro-batedor (carro que faz a escolta do caminhão em crimes desse tipo), levando ainda a crer que o motorista foi apoiado pelos batedores, já que informaram que o corolla assistiu um homem e se dirigiu na continuação da estrada rumo a cidade de Patos. A Polícia de patos foi informada e seguem as diligências na tentativa de encontrar o corolla.

Como a notícia corre rápido, várias pessoas se dirigiram ao local do acidente com o intuito de saquear a carga o que foi impedido pelos policiais que chegara no local para evitar que acontecesse o saque como se faz costumes em acidentes na serra.

Fizeram parte da operação comandada pelo Capitão Lima Filho, o Sgt Izidrinho, os soldados Márcio e Wesley.

Patos Online / Plantão Caicó