terça-feira, 11 de setembro de 2018


Obra do "Shopping Praça das Dunas" vai gerar 2 mil empregos em Parnamirim


Com uma política voltada para o desenvolvimento industrial, econômico e social de Parnamirim, o prefeito Rosano Taveira criou recentemente incentivos fiscais objetivando atrair empresas para o município. E, o resultado tem sido imediato. Na última semana, o gestor recebeu os empresários Felipe Fulcher e Thiago Venturoliresponsáveis pela construção do Shopping Praça das Dunas, no bairro de Emaús, com obras previstas para o início de 2019.

“Esse empreendimento vai gerar 2 mil empregos diretos e indiretos durante o período de obras e 3 mil empregos após a conclusão. E, para o nosso município a geração de emprego é de fundamental importância”, justificou Rosano Taveira.

O encontro com os empresários ocorreu no Gabinete do prefeito e contou com as presenças inclusive da secretária de Meio Ambiente e Urbanismo, Fátima Cabral e do coordenador de Meio Ambiente, Luiz Antônio Melo.

De acordo com o empresário Felipe Fulcher, o Shopping, previsto para ser concluído ainda em 2019, conta com 70 mil metros quadrados. “Estamos muito satisfeitos com a escolha de Parnamirim para a construção do empreendimento por se tratar de um município que não para de se desenvolver”, disse o empresário.

Para quem quer ficar situado sobre a localidade exata do empreendimento, é simples: o terreno onde será erguido o Shopping Praça das Dunas fica de frente para o Superfácil Atacado:

O shopping

O empreendimento, que teve o projeto inicial de ser iniciado em 2016, voltou a tona e promete ser referência na região. Ele contará com:

43.469 m² de Área Bruta Locável (ABL)1 Hipermercado200 Lojas1 Complexo de Cinema7 Âncoras1 Centro de Lazer4 Semi âncoras22 Operações de Fast-Food150 Lojas Satélites4 Restaurantes9 Lojas de Serviços2.100 Vagas de Estacionamento (1.350 cobertas).



Com aval de Lula, Haddad é oficializado pelo PT candidato ao Planalto



A cúpula PT aprovou por unanimidade o nome de Fernando Haddad como substituto do ex-presidente Lula na chapa do partido ao Planalto.

Em reunião nesta terça-feira (11), em Curitiba, a executiva nacional do PT chancelou, após carta enviada por Lula, Haddad como candidato oficial da sigla.

Na mensagem, Lula escreveu sobre o que chama de injustiça que vem sofrendo para deixá-lo fora da eleição, se disse indignado, mas ressaltou a importância da continuidade de seu projeto político com Haddad como candidato.

A mensagem do ex-presidente serviu para arrefecer qualquer resistência interna que ainda pudesse haver na sigla ao nome do ex-prefeito de São Paulo. A carta foi lida pelo próprio Haddad a portas fechadas fechadas.

Uma ala do partido, ligada à presidente da sigla, Gleisi Hoffmann (PR), ainda queria adiar a troca para o dia 17 de setembro, o que desagradava aos aliados de Haddad.

Os dirigentes do PT farão uma pausa para o almoço e, às 15h, vão fazer um ato na frente da sede da Polícia Federal, onde Lula está preso, para oficializar a decisão.

Folha de São Paulo

GAECO ALERTA QUE FACÇÕES CRIMINOSAS MONITORAM OU ESTÃO INTERFERINDO NAS ELEIÇÕES EM 33 CIDADES NO RN


Um levantamento do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado(Gaeco), do Ministério Público Estadual, alerta que pelo menos 33 cidades do Rio Grande do Norte estão sob “forte presença” de duas facções criminosas que podem até mesmo interferir no pleito eleitoral deste ano.

As informações foram enviadas na semana passada ao comando da Polícia Militar, do Exército no RN e ainda para as promotorias em que as zonas eleitoriais sob risco da presença dos grupos criminosos.

Para se ter noção do poder dos bandidos, uma das facções criminosas, o Sindicato do Crime do RN, tem enviado um chamado identificado como “Salve”, em que proíbe a panfletagem e divulgação de imagens de alguns políticos em suas áreas, sob ameaça de “punição” contra quem desobedecer.

Embora não divulgadas, algumas cidades importantes em suas regiões estão na lista. São elas: Natal, Mossoró, Pau dos Ferros, Currais Novos, Ceará-Mirim e São Gonçalo do Amarante.

Para combater ações criminosas do tipo e ainda outras, Tribunal Superior Eleitoral aprovou o envio de tropas federais para 97 municípios potiguares, com objetivo de garantir o voto livre, a segurança e a ordem nas eleições do primeiro turno, no dia 07 de outubro.

Ao todo, o RN terá 1551 locais de votação. Em locais de ausência de tropas federais, estarão presentes guardas municipais e policiais militares.

ONU AFIRMA QUE O COMBATE À FOME NO BRASIL ESTAGNOU APÓS MUDANÇA POLÍTICA

Dados divulgados nesta terça-feira, 11, pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e um grupo de agências da ONU revelam que o combate à fome no Brasil se estagnou. A entidade estima que em 2017 havia “menos de 5,2 milhões” de brasileiros passando fome, uma mudança marginal em comparação aos números que vinham sendo apresentados nos últimos anos.

Em 2014, essa taxa era de “menos de 5,1 milhões”. Dois anos antes, o volume era de 5 milhões. O ponto mais baixo foi atingido em 2010, quando “menos de 4,9 milhões” de brasileiros eram considerados famintos.

Os números atuais estão distantes da realidade de 1999, quando 20,9 milhões de brasileiros eram considerados desnutridos. Em 2004, esse volume havia sido reduzido para 12,6 milhões e, em 2007, era de 7,4 milhões. Em termos porcentuais, entretanto, a FAO aponta que a taxa continua estável e inferior a 2,5% desde 2008.

O relatório, apresentado em Roma, aponta para uma elevação da fome no mundo e uma das regiões mais afetadas pela nova realidade é a América do Sul. De acordo com a FAO, 4,7% da população da região era considerada desnutrida em 2014; hoje, a taxa é de 5%.

No total, a população com fome passou de 19,3 milhões de sul-americanos para 21,4 milhões em 2017. A taxa, porém, é inferior aos 29 milhões de famintos em 2005 na região.

Se considerado o critério de insegurança alimentar severo, a América do Sul passou de uma taxa de 4,7% da população em 2015 para 8,7% em 2017. O salto foi de 19,4 milhões de pessoas para 36,7 milhões. Qualifica-se de insegurança alimentar severa uma pessoa que passa um dia todo sem se alimentar ou famílias que têm seus estoques esgotados.

Agravantes

Na avaliação da FAO, os resultados na América do Sul podem ser consequência de “preços baixos nas exportações de commodities, o que levou os recursos financeiros para a importação de alimentos, reduziu a capacidade de governos de investir na economia e reduziu de forma significativa a receita fiscal necessária para proteger os mais vulneráveis contra o aumento de preços domésticos e a perda de renda”.

De acordo com os estudos, mudanças climáticas têm tido um peso importante nessa nova realidade da volta da fome. O alerta é de que, se nada for feito para lidar com temperaturas e eventos extremos, o problema vai aumentar. Neste aspecto, o Brasil e sua produção agrícola podem ser afetados. No período entre 2011 e 2016, o País já foi um dos mais prejudicados por anomalias no campo, incluindo secas.

Estadão

Bolsonaro precisa fugir do markenting da facada



Jair Bolsonaro tornou-se personagem de um drama clínico com potencial para marcar a história. Retirado da campanha por um golpe de faca, terá de passar por uma segunda cirurgia de grande porte. Seu estado, informa a equipe do Albert Einsten, ainda é grave. É improvável que retorne às ruas nas quatro semanas que restam de campanha. Difícil saber quais serão suas condições clínicas no dia da eleição.

Vencida a fase do susto e a etapa da solidariedade coletiva, chega-se ao estágio mais delicado: o gerenciamento das informações sobre o paciente. Nas primeiras horas, aliados de Bolsonaro insinuaram que o atentado renderia votos. Subordinaram a saúde do esfaqueado ao marketing da facada. Depois, sinalizaram que a recuperação seria rápida. Praticaram quiromancia hospitalar.

Saúde de candidato à Presidência é coisa tão séria a saúde de presidente. Para sorte de Bolsonaro, ainda sujeito a infecções, proibiram-se as visitas que davam à UTI a aparência de palanque de redes sociais. Nessa hora, convém afastar do paciente os magos que tramam transformar lesões graves no intestino em tônico eleitoral.

Tudo ficará melhor se a saúde de um presidenciável com potencial para chegar ao segundo turno for tratada como assunto de interesse público, aos cuidados de médicos que se pronunciem por meio de notas oficiais rigorosamente técnicas.

JOSIAS DE SOUZA / BG