Contingente da Polícia Militar é insuficiente para garantir a segurança durante a eleição

No Rio Grande do Norte serão enviadas tropas federais para 97 municípios durante as eleições 2018. São 60 municípios a mais do que nas eleições gerais de 2014, quando o TSE havia aprovado o envio de Forças Armadas para reforçar a segurança em 37 municípios do estado. Isso, em parte ocorre porque o contingente da Polícia Militar é insuficiente.

Em ofício enviado ao Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte, o Governo do Estado destacou que existe um déficit no efetivo no Sistema de Segurança Pública do Estado, tendo ultrapassado o percentual de 70% para a Polícia Civil e de 30% para a Polícia Militar, implicando dessa forma “na impossibilidade de que seja garantida a lei, a ordem e a segurança das Eleições 2018 exclusivamente com o exíguo efetivo existente no Estado”.

Na Polícia Civil, o déficit é de 3.697 policiais. Existem 1.453 cargos ocupados para 5.150 previstos. Sem realizar concurso público há 13 anos, o déficit de policiais militares é de 5.466 postos vagos. São 7,7 mil policiais militares na ativa, número inferior aos 13,4 mil estabelecidos por lei estadual.

O déficit torna-se mais evidente no período eleitoral. O comandante da PM no Rio Grande do Norte, coronel Osmar Oliveira,  ressaltou que o apoio das forças federais é importante para o pleito diante da pouca quantidade de policiais, principalmente em cidades do interior do estado. “Temos que fazer com que o efetivo se desdobre porque temos dificuldades, frisou o comandante da PM”.

A necessidade de reforço fica evidente em diversos relatos de juízes eleitorais ao TRE, aos quais a TRIBUNA DO NORTE teve acesso.

Rio Grande do Norte tem R$ 247 milhões do Abono Salarial 2017


Os trabalhadores do Rio Grande do Norte têm mais de R$ 247 milhões para saque do Abono Salarial ano-base 2017. O pagamento do terceiro lote do benefício – para trabalhadores da iniciativa privada nascidos em setembro e para servidores públicos com final de inscrição 2 – começou nesta quinta-feira (13). No total, 315,5 mil trabalhadores ainda têm direito ao benefício no estado, segundo estimativa do Ministério do Trabalho (MTb).

Até o final de agosto, nos dois primeiros lotes, foram pagos R$ 50,5 milhões, para aproximadamente 64,5 mil trabalhadores do Rio Grande do Norte, o que representa 17% do total de quase 380,1 mil beneficiários identificados.

Nacional – O terceiro lote do Abono Salarial ano-base 2017 prevê o pagamento de R$ 1,4 bilhão para 1,9 milhão de trabalhadores em todo o País. Até o final deste ano, serão liberados os pagamentos para nascidos entre julho e dezembro. O saque para quem nasceu de janeiro a junho será feito no ano que vem.

O prazo final para todos os trabalhadores é 28 de junho de 2019. No total, podem ser pagos R$ 18,1 bilhões a 23,5 milhões de trabalhadores.

Quem tem direito – Tem direito ao abono salarial ano-base 2017 quem estava inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos, trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2017 – com remuneração mensal média de até dois salários mínimos – e teve seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

A quantia concedida é proporcional ao tempo trabalhado formalmente em 2017. Quem esteve empregado o ano todo recebe o valor cheio, que equivale a um salário mínimo (R$ 954). Quem trabalhou por apenas 30 dias recebe o valor mínimo, que é de 1/12, e assim sucessivamente

Trabalhadores da iniciativa privada devem procurar a Caixa Econômica Federal. A consulta pode ser feita pessoalmente, pela internet ou pelo telefone 0800-726 02 07. Para servidores públicos, a referência é o Banco do Brasil, que também fornece informações pessoalmente, pela internet ou pelo telefone 0800-729 00 01.

O calendário dos pagamentos do Abono Salarial ano-base 2017 está disponível no site do Ministério do Trabalho.