sábado, 22 de setembro de 2018


Dono da Guararapes, Potiguar, Nevaldo Rocha já doou R$ 2,5 milhões para candidatos


Na primeira eleição para cargos majoritários e proporcionais nos Estados e na União após a proibição das doações de empresas, o empresário Rubens Ometto, fundador da Cosan, é, até o momento, o maior financiador de campanhas.

De acordo com dados da Justiça Eleitoral, Ometto havia doado, até ontem, R$ 6,3 milhões para 50 candidatos, a maioria a deputado federal. Ele também fez repasses para cinco diretórios partidários. As doações abrangem 13 partidos e 13 Estados.

Os R$ 6,3 milhões doados pelo empresário representam 21% do que a Cosan Lubrificantes doou em 2014 (R$ 30 milhões), última eleição nacional antes de o Supremo Tribunal Federal proibir doações de pessoas jurídicas. A Corte vetou esse tipo de financiamento em julgamento concluído em setembro de 2015. O valor deste ano pode aumentar até o fim do primeiro turno, no dia 7 de outubro.

O segundo doador que mais injetou dinheiro em campanhas foi o empresário Nevaldo Rocha, dono do Grupo Guararapes, que inclui a Riachuelo. Rocha distribuiu, entre cinco candidatos, um total de R$ 2,57 milhões. Os dois empresários estão na lista dos 42 bilionários brasileiros divulgada em março pela revista Forbes.

REGRAS
Ometto afirmou, por meio de sua assessoria, que os repasses para postulantes de diversas colorações partidárias, têm “caráter pessoal”. O empresário preside o Conselho de Administração do Grupo Cosan, que possui negócios nas áreas de energia, logística, infraestrutura e agrícola.

“As doações eleitorais foram feitas em caráter pessoal e seguem as regras estabelecidas pelo Tribunal Superior Eleitoral e demais normas aplicáveis”, informou a assessoria imprensa do empresário.

Do total doado de R$ 6,3 milhões por Ometto, R$ 1,1 milhão foi destinado a dez candidatos que são alvo de investigação na Operação Lava Jato. Esses políticos, de oito partidos e cinco Estados, receberam valores entre R$ 50 mil e R$ 250 mil. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

BG / PLANTÃO CAICÓ

Escutam telefonicas mostram plano de criminosos do RN para entrar na política



A região Nordeste viu seus índices de violência aumentarem na medida em que as facções criminosas avançaram sobre a região em uma disputa sangrenta por mercado e pontos de escoamento de drogas para o exterior. Há indícios também de que facções estejam tentando coagir eleitores a não votarem em determinados candidatos.


No Rio Grande do Norte, a situação parece ser ainda mais crítica. Os traficantes querem infiltrar criminosos na política local. Um relatório produzido pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) indica que 33 dos 167 municípios do estado estão sob influência de facções como Sindicato do Crime e PCC. Interceptações telefônicas feitas pelo MPRN com autorização da Justiça, em 2016, captaram conversas entre dois suspeitos de integrarem a facção Sindicato do RN.


Alan Marcos Zico Fonseca, conhecido como Alan Bigodinho, sugere a Raimundo Kleber Benicio da Costa, o “Cego de Santa Cruz”, que a organização deveria infiltrar alguém na política. O colega dá risada e diz que isso estava sendo providenciado.

Ele conta que, durante as eleições daquele ano, foi procurado por um candidato a vereador do município de Santa Cruz pedindo autorização para ingressar em uma área controlada pela facção para “comprar votos”:


Confira a transcrição das conversas

Allan Bigodinho: Sabe o que era para nós ter feito? Era pra ter infiltrado um pessoal nosso nessa política aí.

Cego de Santa Cruz: (risos) Mas está tendo. Tem um lá na Santa [município de Santa Cruz]. Quem ligou pra mim foi Edu. Ligaram pra mim, tá ligado? Os meus vaqueiros é que foram lá, entendeu? Os vereador (sic) que pediram pra subir lá, pra comprar votos, entendeu?

Allan Bigodinho: Demorou…

Cego de Santa Cruz: Aí disse que, se ele ganhar, ele disse que fortalece lá a quebrada. Ele disse: “pode deixar que, se eu ganhar, eu tô lá por vocês”.

Quem é o candidato?

O candidato em questão não chegou a ser identificado pelos investigadores. “Não conseguimos identificar de quem é que eles estavam falando”, afirma uma fonte ouvida pelo UOL. “Não sabemos, por exemplo, se essa pessoa foi ou não eleita.”

O outro lado

A reportagem tentou contato por telefone com os advogados de Alan e Raimundo com base no CNA (Cadastro Nacional dos Advogados) mantido pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), mas até a última atualização desta reportagem, as ligações não haviam sido atendidas.

UOL / Plantão Caicó

Homem é atingido por disparo de arma de fogo na zona rural de Caicó




Por volta 01:00h deste sábado (22), foi registrado uma tentativa de homicídio na comunidade rural Furna da Onça. De acordo com informações, dois primos bebiam em bar quando teve início uma discussão, um dos envolvidos sacou uma arma de fogo e efetuou um disparo contra a cabeça da vítima que foi atingido de raspão.



A vítima foi socorrido para o Hospital Regional de Caicó, foi atendido e encontra-se em observação médica naquela casa de saúde. O acusado do crime é um indivíduo conhecido por "Zé", após o fato o acusado fugiu do local em uma motocicleta.