Criminosos atacam torre de transmissão e loja de veículos no Ceará

13:14:00

Do G1 CE – Policiais prenderam na manhã deste sábado (12) três suspeitos de arremessar artefatos explosivos e danificar vários veículos em uma concessionária em Fortaleza. O ataque ocorreu em meio à onda de violência que dura onze dias no Ceará, com mais de 190 ações criminosas coordenadas por chefes de facções. Com a prisão dos três suspeitos, chegou a 330 o número de detidos por envolvimento na sequência de ataques.

De acordo com o secretário da Segurança do Ceará, André Costa, dois homens foram baleados durante troca de tiros com policiais. Após as prisões, a Polícia Militar, que recebe apoio da Força Nacional para tentar conter a violência no estado, reforçou as buscas pelos autores da destruição de uma torre de energia em Maracanaú, na Grande Fortaleza, durante a madrugada deste sábado.

Explosão destruiu torre de distribuição de energia em Maracanaú, na Grande Fortaleza — Foto: Hermann Rabelo

Em nota, o Ministério de Minas e Energia informou que foi feito o desligamento automático da linha de transmissão que liga Fortaleza ao Porto de Pecém devido à queda torre. Ainda segundo o ministério, foi acionado o despacho momentâneo de geração térmica adicional, o que impediu a falta de energia para os consumidores.

“O MME informa ainda que, em conjunto com o ONS e em contato com a distribuidora de energia local e órgãos de segurança pública federal, estadual e municipal, permanecerá monitorando e adotará todas as medidas para o restabelecimento da normalidade do sistema elétrico”, afirma a pasta, em nota.

A onda de violência no estado chegou ao 11º dia seguido com 194 ataques confirmados em 43 municípios. Desde o início da sequência de crimes, 35 membros de facções criminosas foram transferidos para presídios federais, de acordo com o Ministério da Justiça.

Membros de facções rivais se uniram contra o governo após o secretário da Administração Penitenciária do Ceará, Mauro Albuquerque, anunciar mais rigor na fiscalização dos presídios.

Mauro Albuqurque, ao assumir o cargo criado em 1º de janeiro deste ano, prometeu acabar com a entrada de celulares nas prisões e com a divisão de presos segundo a facção à qual pertencem. Os ataques são uma tentativa de fazer com que o estado recue.

O governador do Ceará, Camilo Santana, afirmou nesta sexta-feira (11) que “não há recuo”.

Leia Também...

0 comentários