quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019


Caixa econômica vistoria obra para retomar construção do Centro tecnológico Têxtil em Caicó

Na última segunda-feira (25),o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, George Victor, o Chefe de Gabinete, Vanderson Dias, o gerente do escritório do Sebrae em Caicó, Pedro Medeiros, o consultor do Sebrae, José Rangel, o subcoordenador da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico (SEDEC), Otomar Lopes e um técnico da Caixa Econômica Federal, visitaram a obra do Centro Têxtil Tecnológico do Seridó, localizado na zona norte de Caicó.

“A ideia da obra do Centro Têxtil foi construída por várias instituições, entre elas, o Sebrae. A conjuntura do projeto inicial era ser um Centro de Formação é que as pessoas pudessem sair com uma peça piloto, seja de boné, confecção ou artesanato. No decorrer do tempo, a concepção do projeto mudou e foi direcionado para o setor têxtil e que ele também faça a parte do processo de criação, modelagem e corte das peças, criando uma nova oportunidade de negócios para a região do Seridó, abrindo a porta para outras empresas âncoras”, disse Pedro Medeiros.

A consolidação desse polo têxtil do Seridó trará novos investimentos e o surgimento de novos micro e pequenos empresários com outro modelo de negócio e também vai contribuir para agregar os alunos formados do curso de tecnologia têxtil do IFRN.

O consultor do Sebrae, José Rangel destacou o impacto que a obra do Centro Têxtil irá trazer para Caicó e região. “Esse projeto será tocado com grande peso pelos próprios empresários das entidades representativas dos faccionistas e com apoio da FIERN, Sebrae, Fiern, governo do Estado e Prefeitura de Caicó para a gente integrar essa cadeia e fazer desde a modelagem até o produto final, agregando valor e criando trabalho e emprego para a região do Seridó”, afirmou Rangel.

Operação combate facção criminosa que age dentro e fora de presidios do RN


Ministério Público do Rio Grande do Norte e a Polícia Militar deflagraram nesta quinta-feira (28) a Operação Cancão, com o objetivo de combater uma facção criminosa que age dentro e fora de unidades prisionais potiguares. Ao todo, estão sendo cumpridos mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão em 15 municípios. O nome da operação é referência a uma ave típica do semi-árido nordestino.

A ação é fruto de uma investigação iniciada em 2017 para apurar a atuação da organização criminosa principalmente em cidades da região Seridó. As investigações apontam que a principal atuação do grupo é a aquisição, transporte, armazenamento e distribuição de drogas ilícitas na região. Além disso, a facção também é responsável por homicídios, roubos, furtos e lavagem de dinheiro.