segunda-feira, 8 de abril de 2019


Dupla armada realiza assalto em panificadora no centro de Caicó

Dois homens armados com uma arma de fogo, invadiram uma panificadora localizada na Av. Joel Damasceno no Centro de Caicó e renderam o funcionário do caixa. A ação aconteceu na noite desta segunda-feira (08).

Na ação, os bandidos levaram uma certa quantia em dinheiro do caixa e fugiram em uma moto modelo Honda Bis.

Cânceres de cabeça e pescoço atingem 41 mil brasileiros por ano

câncer de cabeça e pescoço atinge 41 milbrasileiros por ano, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP). São tumores na cavidade nasal, seios da face, boca, laringe e faringe. De acordo com o Instituto do Câncer de São Paulo, oito em cada dez diagnósticos é de fumantes ou ex-fumantes. Além do tabagismo, a bebida alcoólica é outro fator de risco para a doença.

Janaína Jabur, médica oncologista da Aliança Instituto de Oncologia, em Brasília, explica que os sintomas dependem do local acometido. “Normalmente, o paciente sente alguma área endurecida ou uma ferida persistente, dolorosa e sangrante, que prejudica a fala e/ou a alimentação”, destaca. Outros sinais incluem aumento de ínguas no pescoço, dor na garganta, no ouvido ou na cabeça.

O tratamento varia. Há casos em que o paciente é submetido à cirurgia ou radioterapia, em outros casos também são indicados quimioterapia ou o uso de medicamentos. Em casos avançados, onde há presença de metástases, os médicos podem optar pelo tratamento com quimioterapia ou, mais recentemente, a imunoterapia.

A principal medida de prevenção do tumor é o controle dos fatores de risco, como a interrupção do tabagismo e o consumo exagerado de bebidas alcoólicas. A infecção pelo vírus HPV é outro fator de risco para tumores nesta parte do corpo, por isso, recomenda-se o uso de preservativos durante o sexo oral. Meninas a partir de 9 anos podem se vacinar gratuitamente contra HPV, para os meninos a vacina está disponível a partir de 11 anos.

Metrópoles / Plantão Caicó

Governo vai pagar no dia 15 salário integral de quem ganha até R$ 5 mil


Os servidores estaduais que ganham até R$ 5 mil e aqueles que fazem parte dos órgãos da Segurança Pública vão receber o salário integral no próximo dia 15. Na mesma data, quem recebe acima desse valor receberá 30% do pagamento. No final do mês serão pagos os demais 70% e aos servidores dos órgãos com arrecadação própria como Detran, Idema e Caern.

Segundo o secretário-chefe do Gabinete Civil, Raimundo Alves, o Governo só conseguiu chegar ao valor de R$ 5 mil para pagar antecipadamente poque teve que pagar o Duodécima à ALRN até o final de abril. A data que é dia 18 passou para 28 neste mês. O duodécimo é o repasse mensal obrigatório de recursos que o Executivo faz aos outros poderes.

Na reunião realizada nesta segunda-feira entre Governo do Estado e entidades representativas dos servidores ficou acertada também a criação de um grupo de trabalho para se analisar as contas do Executivo e chegarem a um possível calendário de pagamento para os próximos meses. Além do secretário-chefe do Gabinete Civil participaram da reunião os secretários Aldemir Freire (Planejamento) e Carlos Eduardo Xavier (Tributação) e o subsecretário de Administração, Ediran Teixeira.

Elevação média no volume da Barragem Armando Ribeiro é de 4,3 milhões de metros cúbicos por dia

No período de 21 de fevereiro, data em que houve o menor nível este ano, até hoje, 8 de abril, a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, no Vale do Açu (RN), teve um acréscimo em seu volume de 200,6 milhões de metros cúbicos. Uma elevação média de 4,3 milhões de metros cúbicos por dia. A elevação do nível nesse mesmo período foi de 2,79 metros.

A reserva hídrica atual é de 28,2%. Ainda faltam 13,61 metros para o reservatório começar sua sangria.

Brumadinho : Polícia indentifica falsos desaparecidos em lista de vitimas


Desde o dia 25 de janeiro, quando uma barragem da Vale se rompeu na mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), a Polícia Civil de Minas Gerais já pediu a retirada de 17 nomes da lista de desaparecidos. A tragédia deixou 224 mortos, até o momento.

Três destes nomes foram retirados da lista na última sexta-feira (5). No final de semana os desaparecidos passaram de 75 para 69. Mais três mortos foram identificados.

Segundo a Polícia Civil, dos 17 nomes retirados, 11 tinham erros de grafia, estavam duplicados ou eram de pessoas que estavam vivas e não haviam comunicado às autoridades; seis foram por estelionato. Em um dos casos identificados, um homem vindo de São Paulo alegava ter perdido o irmão na tragédia.

Ele chegou a ter DNA coletado para ajudar na identificação do corpo, conseguiu passagens, hospedagem e alimentação custeados pela Vale e estava prestes a encaminhar um requerimento para pedir o pagamento de R$ 100 mil feito às famílias que perderam parentes na tragédia.

O irmão dele, porém, foi localizado trabalhando como vendedor ambulante em Praia Grande (no litoral paulista). A polícia descobriu ainda que o falso desaparecido era foragido da Justiça de Santa Catarina, onde tinha um mandado de prisão aberto por homicídio. Os dois irmãos foram presos.

Em outro caso, uma mulher registrou o irmão morto desde 2010 como uma das vítimas. A polícia abriu inquérito por tentativa de estelionato.

“As pessoas que foram presas em flagrante delito nessas tentativas de fraude são pessoas de outros estados. Pessoas que tiveram passagens aéreas, hospedagem, alimentação, tudo financiado pela Vale. Vieram de longe para cometer a fraude”, afirma a delegada Ana Paula Gontigo, titular em Brumadinho e que investiga os nomes nas listas de desaparecidos.

De acordo com a delegada, o fato de o Brasil não ter experiência para lidar com grandes tragédias pode ter facilitado a ação dos golpistas.

Como ninguém sabia quantas pessoas poderiam ter sido mortas ou atingidas pela lama após o rompimento, isso abriu oportunidade para que inserissem os nomes falsos.

Quase 70 dias depois do desastre, com a lista diminuindo, a polícia pretende investir mais no trabalho de investigação sobre cada um dos desaparecidos. Entre os 69 nomes, há 18 pessoas cujos familiares ainda não compareceram ao Instituto Médico Legal (IML), em Belo Horizonte, para fazer a coleta de DNA para a identificação das vítimas.

“O trabalho da Polícia Civil ajuda com o trabalho dos Bombeiros, porque esse número de pessoas que ainda faltam ser encontradas influencia diretamente na logística e no planejamento da execução de atividades deles nas buscas”, diz a delegada.

FOLHAPRESS