segunda-feira, 15 de abril de 2019


Casos de raiva em morceno causam alerta no Rio Grande do Norte


Pelo menos 18 casos de raiva foram confirmados em morcegos no Rio Grande do Norte desde o início do ano, segundo informou a Secretaria de Saúde Pública do Estado (Sesap) nesta segunda-feira (15). Um bovino também foi diagnosticado com a doença. De acordo com a pasta, o número é preocupante, porque, quando a doença é transmitida do animal para o homem, causa morte em quase 100% dos casos.

O número de animais com diagnóstico de raiva em 2019 já é três vezes maior do que o primeiro trimestre de 2018. Durante todo o ano passado, foram registrados 35 morcegos com raiva.

“Os morcegos identificados com raiva no RN são sobretudo de áreas urbanas – fato que aumenta ainda mais a nossa preocupação em decorrência da densidade populacional nas cidades. Das espécies identificadas predomina o Molossus molossus, morcego que tem o hábito de se alimentar de insetos. Segundo a literatura, esses animais estão muito bem adaptados ao meio urbano”, explicou Alene Castro, veterinária da equipe do Programa de Controle da Raiva da Sesap.

Os casos registrados em morcegos no ano de 2019 são dos municípios de Parnamirim (4), Mossoró (4), Caicó (4), Macaíba (3), Santo Antônio (2) e Nova Cruz (1). O município de João Câmara registrou o caso de raiva em um bovino.

A Sesap informou que solicitou aos municípios que a investigação na área de ocorrência de acidentes envolvendo morcego seja realizada mais prontamente e que se aumente o número de envio de amostras de quirópteros suspeitos de raiva. Além disso, a Secretaria também sugeriu que o tema “Raiva e a prevenção dessa doença” seja incluído nas ações do Programa Saúde nas Escolas, para conscientização das crianças quanto às formas de prevenção.

G1 RN

Coremas e Mãe D'Água na PB ainda estão com baixa reserva hídrica



Ainda é pouco, mas tem aumentado o volume acumulado de água em dois reservatórios da Paraíba: Coremas e Mãe D’Água. A sangria desses açudes é importante para o aumento no volume acumulado na barragem Armando Ribeiro Gonçalves, pois as águas do transbordamento desses açudes paraibanos vêm através do rio Piranhas/Açu.

Dados da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), da Paraíba, apontam que o Mãe D’Água, nesta segunda-feira, 15 de abril, está com um volume de 42,43 milhões de metros cúbicos, que representa uma reserva hídrica de 7,47%.

Já o Coremas está com 103,77 milhões de metros cúbicos, que representa uma reserva hídrica de 17,54%.

Veja gráficos da situação dos dois açudes paraibanos (Fonte: Aesa): (Clique nas imagens para ampliar)

Mortes caem 21,7% em trechos de estradas federais após radares

Levantamento da Folha mostra que a redução média de mortes foi de 21,7% nos quilômetros de rodovias federais em que o dispositivo eletrônico foi colocado. Os dados apontam ainda para uma redução de 15% nos índices de acidentes após a instalação dos radares.

Segundo Bolsonaro, os aparelhos serão retirados das estradas conforme seus contratos de operação terminem. Novos contratos não serão firmados, diz. Procurado pela Folha, o Ministério da Infraestrutura não fala em fim dos radares, mas em reavaliação.

O governo federal deveria estar assinando os novos contratos dos radares que substituem as antigas contratações. Após a declaração do presidente, alguns trechos de estradas ficaram sem controle de velocidade, segundo as empresas do ramo.

Na quarta-feira (10), uma liminar da Justiça Federal determinou que nenhum radar fosse retirado de rodovias federais e que o governo prorrogasse por 60 dias os contratos perto de expirar. A decisão diz que não há dados técnicos que justifiquem o fim do serviço.

Para especialistas, a retirada dos radares aumentará a insegurança em um país em que já morrem 37 mil pessoas no trânsito por ano.

O cálculo da Folha sobre a eficácia dos equipamentos considerou os acidentes e mortes registrados pela Polícia Rodoviária Federal entre 2007 e 2018 nos quilômetros de estradas que até o fim do ano tinham radares.

Foram analisados os índices de acidente em cada um desses quilômetros antes e depois da colocação dos radares. No total, foram computados 1.530 pontos.

O cruzamento dos dados permitiu verificar que, em 72% dos quilômetros onde houve a implantação de radares, caiu o número de mortes.

A rodovia que teve a maior queda nominal da taxa de mortes por ano foi a BR-470, em Santa Catarina. Os trechos analisados da rodovia tinham em média 21 mortes por ano e passaram a ter 11 após os radares (queda de 49%).
(mais…)

Conheça a infinidade de produtos que tem disponíveis na LK MULTIMARCAS


Uma loja conceito em artigos masculinos agora novas instalações e ambiente climatizado.

Camisetas

Bermudas

Calça jeans

Calçados

Relógios

Perfumes

Bonés

Cintos

Malas

Roupas fitness

Sempre com novidades na 
Instagram: @LKMULTIMARCASCAICO
84 - 9.9927-8030

Av. Renato Dantas, 633 por trás do Banco do Nordeste

84 - 9.9927-8030