sábado, 10 de agosto de 2019


Criança de 6 anos morre em hospital com sinais de violência no Rio Grande do Norte

Uma menina de 6 anos morreu na noite desta sexta-feira (9) em Jaçanã, cidade da região Agreste potiguar, provavelmente vítima de agressão. A criança foi socorrida ao hospital com sangramento e sinais de violência, segundo a Polícia Militar.

Após o plantão do hospital informar a PM sobre o ocorrido, a mãe e o padrasto da menina foram levados para a Delegacia Regional de Santa Cruz para serem ouvidos. O casal nega a violência. Segundo a mãe, a menina teria apanhado na escola. Contudo, a Polícia Civil ainda não deu mais detalhes da situação.

Ainda de acordo com a PM, os pais estavam em casa, no conjunto Flores 1, quando foram detidos. A menina já havia sido socorrida, mas morreu ao dar entrada no hospital.

“Foi a médica do hospital quem nos informou que a criança apresentava sangramento e sinais de violência pelo corpo”, disse o major Eudes Valério ao G1.

G1-RN

Governo Fátima cria mais um grupo de trabalho, agora para o sistema prisional


A governadora Fátima Bezerra recebeu nesta sexta-feira, na sala de reuniões do Gabinete Civil, a diretoria do Sindicato dos Agentes Penitenciários do RN (Sindasp). Na ocasião, ela delegou aos secretários Pedro Florêncio (Administração Penitenciária) e Virginia Ferreira (Administração) e ao chefe da Casa Civil Raimundo Alves a tarefa de coordenar e criar um grupo de trabalho para tratar demandas do sistema prisional.

Os agentes penitenciários apresentaram ainda uma pauta de reivindicações, representados pela presidente do Sindasp, Vilma Batista, o vice-presidente André Jucá, os diretores Erlon Bernardo, José Wilson e Francisco Renilson, e o assessor jurídico, Paulo César. A principal delas é a reforma estatutária da categoria, que propõe a valorização da carreira por meio das mudanças no Estatuto.

A governadora demonstrou sensibilidade aos pleitos e lembrou que em outubro vai nomear 62 concursados, conforme já havia anunciado, mas que não tem previsão de convocar um número maior de agentes. “Mantemos nosso compromisso de honrar com o pagamento das diárias operacionais em dia, mas se houver algum imprevisto, o secretário vai dialogar com vocês para explicar o ocorrido”, disse.

O vice-presidente André Jucá declarou que a reunião atendeu às expectativas do sindicato, uma vez que a governadora ficou ciente da pauta de reivindicações e autorizou os secretários a prosseguirem com o diálogo por meio da criação do grupo de trabalho. “O Governo tem se mantido sensível às nossas causas e ficamos agradecidos pela atenção que recebemos aqui”, afirmou.

Os agentes reconhecem que a criação da SEAP, que é voltada exclusivamente à Administração Penitenciária, foi uma grande conquista para a categoria, porque demonstra a valorização que o Governo dá ao trabalho dos agentes penitenciários. Do último concurso, foram 150 aprovados divididos em cinco turmas. Já foram realizados dois cursos de formação, totalizando 56 novos agentes formados e nomeados, alguns já em exercício.

Bolsonaro pede privatização de ao menos uma estatal “pequenininha” por semana

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira que pediu ao secretário especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, que privatize ao menos uma empresa estatal pequenininha por semana. Bolsonaro reconheceu que a privatização não é um processo fácil e ressaltou que a venda de parte delas precisa da autorização do Congresso.

— Tá com o Salim Mattar essa proposta. Não é fácil privatizar também. O que eu falei com o Salim Matar: “Salim, pelo menos umazinha por semana você tem que resolver, tá certo? Umazinha. Uma estatal ‘pequeninha’. Começa por aí. As maiores, vai ter problema. Em grande parte, passa pelo Parlamento brasileiro — disse, na saída do Palácio da Alvorada.

O presidente criticou a gestão das estatais em governos passados, dizendo que eram “focos de corrupção”. Ele citou especificamente a Petrobras, fazendo referência ao trabalho do ministro Sergio Moro (Justiça), que estava ao seu lado, como juiz da Operação Lava-Jato e lembrou que um dos seus antigos partidos, o PP, tinha indicados na diretoria da empresa. Bolsonaro ainda citou o Correios e o seu fundo de pensão, o Postalis.

— Nós querermos é…Com todo o respeito, o que é que foram estatais até o ano passado? Focos de corrupção, apadrinhamento político. Olha a Petrobras, tá aqui o Moro, fala melhor do que eu. Olha a Petrobras. Meu partido teve gente indicada para a Petrobras. Olha os fundos de pensões, indicações políticas. Olha os Correios comprando papeis de Hugo Chávez. Por isso talvez está faltando papel higiênico lá na Venezuela, talvez por causa disso. Quebraram o Postalis, pô. Emprestando dinheiro aí…Olha o BNDES, com uma ação política.

Imposto de Renda

Mais cedo, ao deixar o Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou À imprensa que continuará a defender junto à equipe econômica que contribuintes que ganhem até cinco salários mínimos, cerca de R$ 5 mil , fiquem isentos de pagar o Imposto de Renda (IR). A proposta foi anunciada por ele durante a campanha eleitoral, no ano passado. Hoje, o limite de isenção do IR é de R$ 1.903,98.

– Falei durante a campanha, falei isso aí, sim, tinha conversado com o Paulo Guedes [atual ministro da Economia]. Vou continuar batendo nessa tecla, porque eu acho que quem ganha até cinco [salários] mínimos, em grande parte, tem o imposto retornado para ele. Então se a gente puder. facilitar a vida deles, né?, seria muito bom, no meu entender – declarou.

O Globo