sábado, 17 de agosto de 2019


Valor da prestação da casa própria pode cair até 35%


O valor da prestação do financiamento da casa própria pela Caixa Econômica Federal pode cair até 35% com a nova modalidade de crédito imobiliário, corrigido pelo IPCA, índice oficial de inflação, a ser lançado na terça-feira da próxima semana. Segundo fontes do Palácio do Planalto, serão diferentes faixas de financiamento, que terão percentual de juros que irão variar de acordo com o valor do imóvel e o grau de relacionamento do cliente.

Se for correntista ou se receber salário na instituição, por exemplo, o custo será mais baixo. A taxa atual do financiamento habitacional na Caixa varia entre 8,75% e 9,75% (fora do programa Minha Casa Minha Vida). A meta da Caixa é atingir no primeiro momento 150 mil famílias.

Policia Civil deflaga operação e prende duas pessoas em Caicó

Equipes de policiais civis da 3ª Delegacia Regional de Polícia (DRP) de Caicó, da Delegacia Municipal de Caicó e da Delegacia Especializada de Atendimento ao Adolescente Infrator (DEA) de Caicó, deflagraram, neste sábado (17), uma operação que resultou na prisão de duas pessoas e na apreensão de arma e drogas, no município de Caicó. A ação objetivou a prisão de suspeitos de participação no homicídio de Paulo José dos Santos, conhecido como "Paulo Golinha", ocorrido no dia 18 de julho de 2019, na cidade de Caicó.

Na ação, foram cumpridos três mandados de busca e apreensão em residências localizadas nos bairros Alto da Boa Vista e Sananaú. No imóvel situado no bairro Alto da Boa Vista, os policiais prenderam Marcio Kennedy Souza Gomes, conhecido como "CAÇAPA ". Na residência do suspeito, foram apreendidas porções de cocaína e maconha, balança de precisão e uma arma de fogo calibre 38, com várias munições.

Marcio Kennedy, que estava foragido desde a "Operação Progresso", realizada na cidade no mês de julho, foi autuado em flagrante por tráfico de drogas e posse irregular de arma de fogo. Guilherme Bergson Medeiros, proprietário do imóvel onde Márcio estava, também foi preso momentos depois no bairro Barra Nova, por uma equipe de policiais militares.

Em desfavor de Guilherme Bergson Medeiros existia em aberto um mandado de prisão preventiva expedido pela 3ª Vara da Comarca de Caicó. Ele é suspeito de participar do homicídio praticado contra Paulo José. De acordo com as investigações, Guilherme teria emprestado a arma de fogo usada no crime e planejado o fato. Ele também foi autuado em flagrante pelos de crimes de tráfico de drogas e posse irregular de arma de fogo.

Na última segunda feira (12), Italo De Sousa Batista foi preso em razão de mandado de prisão preventiva. Ele é suspeito de ser o executor do crime, em coautoria com um adolescente, que foi apreendido na sexta-feira (16). A polícia acredita que a arma de fogo encontrada neste sábado (17) possivelmente é a mesma utilizada para executar Paulo José, o que poderá ser constatado após laudo pericial elaborado pelo Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP).

A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181 ou por meio do whatsapp 84 9 8602 0324.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN.

Expediente de militares pode ser reduzido pela metade, diz Bolsonaro


O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (16) que os problemas de orçamento do Executivo Federal são graves e que a ausência de recursos terá como um dos impactos a redução da jornada de militares, que trabalhariam durante “meio expediente”. A fala do governante ocorreu em cerimônia realizada no Palácio do Planalto.

“O Brasil todo está sem dinheiro. Os ministros estão apavorados. O Exército vai entrar em meio expediente. Não tem comida para dar para o recruta. A situação é grave”, disse Bolsonaro.

O presidente fez a afirmação respondendo a perguntas sobre o problema de orçamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O presidente da instituição, João Luiz Filgueiras de Azevedo, afirmou em entrevistas que mais de 80 mil bolsas deixariam de ser pagas em setembro por falta de recursos.

Por meio de nota, o Ministério da Defesa informou à Agência Brasil que ainda trabalha “com a possibilidade de liberação dos recursos contingenciados”, mas que estuda “alternativas caso se prolongue o referido bloqueio”.

CNPq

Em julho, o CNPq suspendeu a seleção de bolsistas no Brasil e no exterior até o dia 30 de setembro à espera de crédito. Na explicação, o órgão informou que possui um déficit de R$ 300 milhões no orçamento de 2019 e que buscava um crédito suplementar para sanar o rombo.

Ontem o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Marcos Pontes, afirmou que o problema está “sendo resolvido” e que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, teria “dado a palavra” de que haveria uma solução para o caso com a garantia de recuros. Contudo, Pontes não detalhou como esse acréscimo se daria.

O CNPq é a principal instituição federal financiadora de pesquisas no país juntamente com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O conselho custeia desde alunos em programas de iniciação científica a projetos de pesquisa de professores e pesquisadores em instituições como universidades e centros de pesquisa.

Bloqueios

O contigenciamento total realizado pelo Executivo Federal somou, até julho, R$ 33,426 bilhões. No mês passado, o governo anunciou novo bloqueio, no valor de R$ 1,443 bilhão. A previsão inicial era de R$ 2,252 bilhões, mas houve o uso de uma reserva no valor de R$ 809 milhões.

Delegados cogitam demissão coletiva após Bolsonaro tentar intervir na PF do Rio

A tentativa de Jair Bolsonaro de interferir na indicação do Superintendente da Polícia Federal no Rio quebrou de vez o que ainda restava de confiança de delegados da cúpula da corporação, de diferentes partes do país, no presidente. Um pedido de demissão coletiva não está descartado, caso Bolsonaro insista na investida.

As críticas ao presidente são abertas e contundentes. Um dos policiais mais prestigiados entre os colegas afirma não se recordar de nada parecido vindo de qualquer outro presidente desde a redemocratização do país.

Na quinta (15), Bolsonaro anunciou que o superintendente do Rio seria um nome de sua confiança deslocado de Manaus —o delegado Alexandre Saraiva. Afirmou que era ele quem mandava e que não seria um presidente “banana”.

Horas depois, com a reação contundente da PF, recuou.

De acordo com um dos policiais, aceitar ingerência de Bolsonaro na PF significará o fim da corporação —que não seria o espaço apropriado para ele mostrar que pode mandar e desmandar.

ex-ministro Gustavo Bebianno, que era um dos assessores mais próximos e conviveu intensamente com Bolsonaro na campanha eleitoral, credita o estilo “eu que mando” do presidente a “complexos que ele traz do passado”.

“O presidente tem revelado extremo grau de insegurança. Essa coisa de querer mostrar, a ferro e fogo, todo o tempo, que é ele quem manda, sem escutar a ninguém e sem aceitar qualquer tipo de ponderação, é muito ruim para o nosso país. O presidente precisa superar os complexos que traz do passado e mostrar maior grandeza de espírito”, diz Bebianno.

Ele diz ainda que aprendeu com o mestre de jiu-jitsu Hélio Gracie que o campeão precisa nutrir a nobreza de espírito. “Hoje, o capitão é o vencedor. É hora de engrandecer a alma”.

MÔNICA BERGAMO