terça-feira, 3 de dezembro de 2019


PSL suspende 18 deputados bolsonaristas

O PSL confirmou a suspensão de 18 deputados bolsonaristas. O Partido também dissolveu diretório de São Paulo que era comandado pelo filho do presidente. Eduardo Bolsonaro (SP), Bibo Nunes (RS), Alê Silva (MG) e Daniel Silveira (RJ) receberam a penalidade mais dura, de suspensão por 12 meses. Carlos Jordy (RJ) será suspenso por sete meses, enquanto Carla Zambelli (SP) e Bia Kicis (DF) ficarão suspensas das atividades parlamentares por seis meses. Esses deputados se alinharam ao presidente Jair Bolsonaro na disputa de poder que ocorreu dentro da legenda em meados de outubro.

Folha de São Paulo / Plantão Caicó

Homem é preso com 20 kg de droga no Seridó


A Polícia Rodoviária Federal apreendeu, na tarde desta terça-feira (03), no Km 40 da BR 427, em Acari/RN, 20 kg de maconha.
A droga estava sendo transportada por um homem de 27 anos, condutor de um Classic.


Durante a abordagem, o rapaz falou que reside na Zona Norte de Natal e que estava levando a droga para Caicó.
Disse ainda que era formado em Recursos Humanos e estava desempregado. Pelo serviço, receberia a quantia de mil reais.
Diante do flagrante, o homem foi preso e encaminhado, com o entorpecente, à Delegacia de Polícia Civil da cidade de Acari.

Fonte : PRF191RN

Anvisa aprova por unanimidade registro de medicamentos à base de maconha


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu por unanimidade, nesta terça-feira, regulamentar o registro de medicamentos à base de cannabis. A norma entrará em vigor 90 dias após a publicação e deverá ser revista três anos após a publicação no Diário Oficial.

A discussão sobre o tema começou em 2014 na Agência, mas só chegou ao plenário da Diretoria Colegiada neste ano. O debate foi concluído após interrupção temporária depois que dois conselheiros, Fernando Mendes e Antonio Barra, pediram vista.

Durante os três anos durante os quais a regra estará valendo, os compostos feitos com cannabis serão enquadrados em uma classificação especial chamada “produtos à base de cannabis”, sujeitos à regulação da Anvisa. Segundo a Agência, eles ainda não podem ser definidos como “medicamentos”, porque não há comprovações científicas suficientes sobre a eficácia e a segurança desses produtos.

Relator das propostas, o diretor presidente da Anvisa, William Dib, já havia votado a favor da regulamentação desses temas.

O diretor Fernando Mendes propôs um texto substitutivo para a medida de regulamentação de medicamentos.

Mendes argumentou que os medicamentos à base de cannabis atendam aos critérios exigidos para os demais medicamentos, e não tenham um processo de autorização facilitado, no que diz respeito a evidências científicas e estudos clínicos, apenas para atender ao clamor da sociedade pela regulamentação do tema.

Pela proposta, as empresas devem continuar a realização de pesquisas científicas para comprovar a eficácia e segurança dos produtos à base da planta.

THC abaixo de 0,2%

De acordo com a proposta aprovada pela Anvisa, os medicamentos produzidos à base da planta devem ter percentual abaixo de 0,2% de THC. Esses medicamentos só poderão ser comprados com receita médica.

No caso de produtos com percentual de THC acima de 0,2%, a prescrição é autorizada somente a pacientes terminais “que tenham esgotado as alternativas terapêuticas”.

As empresas produtoras devem apresentar plano de gerenciamento de risco e estudos clínicos sobre o produto com apresentação de resultados positivos. A norma impede a produção de cosméticos, alimentos e cigarros do rol de produtos permitidos.

— A atuação da Anvisa na garantia do acesso da população a medicamentos de qualidade, eficazes e seguras, passa por analise técnica, a partir da realização de pesquisa clínicas e análise da segurança e eficácia (do medicamento)- afirmou Mendes.

Os produtos só poderão ser comercializados em farmácias, com exceção das de manipulação, e deverão ser vendidos por um farmacêutico.

Além disso, os estabelecimentos devem estar registrados no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC).

A proposta prevê que a Anvisa implementará um programa especial de monitoramento desses produtos. Caso ocorra algum incidente relacionado ao medicamento, a empresa produtora do remédio deve informar a Anvisa em até 72 horas.

A questão mais polêmica da discussão, o plantio da droga por empresas, segue para a votação.

De acordo com a proposta inicial, as empresas terão antecedentes criminais checados e deverão oferecer uma estrutura robusta de segurança. Em locais de armazenamento e cultivo da planta é necessário uso de biometria, portas de segurança com acesso eletrônico, intertravamento de portas. Essas edificações devem ser de alvenaria.

O Globo

Oferecimento : Restaurante e Pizzaria.


Gigante têxtil suspende investimentos em Natal por insegurança com o Proedi


O Grupo Vicunha, gigante do setor têxtil brasileiro, anunciou nesta segunda-feira (02) a suspensão momentânia de seus investimentos na unidade da empresa em Natal. O motivo, segundo a empresa explicou em nota à imprensa, é a insegurança jurídica do Programa de Estímulo e Desenvolvimento Industrial (Proedi). O texto classifica o cenário potiguar como "incerto" devido a briga judicial envolvendo o incentivo.

A empresa está instalada em Natal desde os anos 90 e emprega mais de 5 mil pessoas no RN. O Proedi foi suspenso em Natal pela Justiça, a pedido da Prefeitura natalense.

Fonte: Portal Grande Ponto



Anvisa vota regulação da maconha medicinal nesta terça


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária  (Anvisa)  deve votar nesta terça-feira a regulamentação do uso medicinal de produtos à base de  cannabis.  A medida não tem apoio do governo Bolsonaro.

Na semana passada, o ministro da Cidadania, Osmar Terra , chegou a publicar em sua rede social um protesto contra o presidente da agência, William Dib .

Terra escreveu que Dib estava acelerando a tramitação do tema porque está no fim de seu mandato na Anvisa.

“Ele tenta apressar em sintonia com o lobby de grandes empresas brasileiras e canadenses que cobram essa liberação. É o lobby da maconha funcionando a todo vapor!”, escreveu Terra.

Na semana passada,  William Dib  tentou colocar em pauta a votação do tema após os dois conselheiros que tinham pedido vista da questão , Antônio Barra Torres (indicado por Bolsonaro) e Fernando Mendes, afirmarem que já estavam com o voto pronto.


A LOJA SIAL KIDS ESTÁ CHEIA DE NOVIDADES



Não deixe para última hora e venha logo para Sial Kids

A loja Sial Kids fica na Praça Dix-Sept Rosado, 42 – Centro – Caicó/RN

84 3421.3955 – 99996.3955

Por trás do Mercado Municipal de Caicó; entre o Bar de Zeca Barrão e a Drogaria Central

Instagram e Facebook @sialkids