PRF apreende motocicleta com documento falso e placa clonada em Caicó/RN


A Polícia Rodoviária Federal apreendeu, no km 97 da BR 427, em Caicó/RN, na noite desta terça-feira (11), uma motocicleta NXR 160 Bros e deteve o seu condutor, um homem de 37 anos.
Durante a fiscalização, foi observado que a numeração do chassi da moto apresentava sinais deadulteração, assim como na numeração do motor. Verificou-se ainda que o lacre da placa de identificação estava danificado.
Na inspeção ao Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo, verificou-se também que alguns dados estavam fora da padronização oficial, levantando a suspeita de adulteração do documento. Diante dos fatos, os policiais entraram em contato com a proprietária do veículo, residente emNatal/RN, que informou estar de posse da citada motocicleta.
Foi feito contato com uma equipe da PRF em Natal,para que esta fosse à residência da proprietária. Na casa dela foi encontrado o veículo original.
Diante das constatações, o condutor foi detido econduzido, com o veículo e o documento, à Delegacia de Polícia Civil de Caicó, para os procedimentos cabíveis. Destaca-se que o empenho dos policiais rodoviários federais foi determinante para identificar o veículo original e, dessa forma, localizar mais um clonado.

PRF191RN

Segurança do prefeito de Natal é baleado e morto ao reagir a assalto na zona Leste de Natal




Um guarda municipal foi morto no início da tarde desta quarta-feira (12) ao reagir a um assalto em uma clínica odontológica no bairro da Ribeira, na zona Leste de Natal. Carlos Antônio Pereira de Melo era segurança do prefeito de Natal, Álvaro Dias. Na troca de tiros, um assaltante foi baleado e preso. Outro conseguiu fugir do local.


Segundo a Polícia Militar, o guarda estava esperando atendimento quando dois homens anunciaram o assalto. Foi quando ele reagiu e trocou tiros com os bandidos.

Baleado, o guarda não resistiu ao ferimento e morreu no local. O assaltante ferido foi socorrido pelo Samu.

A PM faz buscas pelo segundo assaltante, que conseguiu fugir.


Bolsonaro pode desistir de enviar a reforma administrativa


O governo Jair Bolsonaro avalia desistir de encaminhar ao Congresso Nacional uma proposta própria de reforma administrativa, mesmo depois do ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua equipe já terem praticamente finalizado o texto. O projeto irá mudar as regras para os servidores públicos.

A possibilidade agora é submeter ao Congresso apenas “sugestões” que seriam incorporadas a uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que já tramita na Câmara dos Deputados. Segundo parlamentares ligados ao Executivo, isso deve ocorrer em até três semanas.

A possibilidade de alteração na estratégia de envio da reforma administrativa ao Congresso está sendo discutida na equipe econômica e no Congresso. Integrantes do Ministério da Economa ressaltam, porém, que “o martelo ainda não foi batido”.

O governo está definindo a melhor forma e o timing político ideial de enviar a reforma que irá mexer no serviço público ao Congresso, segundo fontes que participam das discussões. Isso ocorreu depois da fala do ministro Paulo Guedes, na semana passada, que associou servidores públicos a “parasitas”. Nesta segunda, o ministro pediu desculpas.

No mesmo evento, Guedes disse que a proposta seria enviada nesta semana. Mas, até agora, o ministério não informou oficialmente a data do envio da proposta.

Se confirmado, esse seria o terceiro recuo na proposta de mudar as regras para os servidores públicos. A ideia inicial era encaminhar o texto junto com outras três propostas do chamado Pacto Federativo, em novembro, o que não ocorreu.

O segundo adiamento veio no fim do ano passado, quando o governo desisdiu de enviar a reforma ao Congresso por receio de protestos de rua em meio a uma onda de manifestações na América Latina.

Agora, a reforma pode ser encaminhada apenas como sugestões a uma PEC que já tramita na Câmara. Essa proposta já passou pela admissibilidade, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), da Casa. Esse é apenas o primeiro passo na tramitação de uma PEC.

Para que o projeto avance na Câmara, falta apenas que o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), instale a comissão especial, para que seja apresentado o parecer de mérito e o texto possa seguir para o plenário.

– Criada a comissão especial na Câmara da PEC, manda as sugestões. É possível que não haja o encaminhamento de uma PEC formal pelo governo – explicou um interlocutor do presidente, em reservado, durante a solenidade de posse de Rogério Marinho como novo ministro do Desenvolvimento Regional.

A PEC que já está na Câmara, no entanto, tem diferenças fundamentais com a pensada pelo governo, que só muda as regras daqui para frente.

O GLOBO