sábado, 29 de agosto de 2020


Gás de cozinha tem novo aumento ao consumidor do RN a partir de segunda (31)


Segundo sindicato de revendedores, reajuste de 5,4% deve representar acréscimo de até R$ 3,50 no preço final ao consumidor.

Duas semanas após o último reajuste anunciado no preço do gás de cozinha, os consumidores potiguares deverão perceber um novo aumento no valor do botijão a partir da próxima segunda-feira (31). A informação é do Sindicato dos Revendedores Autorizados de Gás Liquefeito de Petróleo (Singás-RN). O acréscimo deverá representar cerca de R$ 3 no preço final.
De acordo com o presidente da entidade, Francisco Santos, a Petrobras anunciou o reajuste de 5,4% no preço aos revendedores ainda nesta quinta-feira (27). O valor começou a valer já nesta sexta-feira (28), mas segundo ele, os novos preços deverão ser sentidos pelo vendedor na segunda (31), após os vendedores renovarem os estoques.
"Este é o sexto aumento seguido anunciado pela Petrobras desde maio e acaba refletindo para o consumidor", afirmou o representante dos revendedores. De acordo com Francisco Santos, o aumento deverá representar acréscimo de R$ 3 a R$ 3,50. Com isso, o preço médio deverá ficar entre R$ 73 e R$ 76,50, de acordo com o sindicato.

Especialista alerta para risco de acidente com carregadores de celular

O corpo de Matheus Macedo Campos, de apenas 11 anos, foi enterrado na segunda-feira, 24, em Santarém, oeste do Pará. O menino usava um aparelho celular que estava conectado à tomada quando foi atingido por uma descarga elétrica durante um temporal no domingo. Ele foi socorrido e levado ao hospital, mas não resistiu a uma parada cardiorrespiratória. ⁠

Segundo o especialista em tecnologia da informação, André Castro, a recomendação é desligar os aparelhos quando estiver chovendo e, principalmente, se tiver raios. Ele ressalta que outro alerta é em relação ao uso de carregadores piratas. Segundo o especialista, os produtos originais são homologados pela Anatel.⁠
@plantaocaico 

OPERAÇÃO LEI SECA AUTUA CONDUTORES DE VEÍCULOS EM PARNAMIRIM


As ações da Operação lei seca está em plena atividade. Na noite desta sexta-feira (28) foi realizado batreira de fiscalização na Av Maria Lacerda, em nova Parnamirim.

Foram realizados o total de 326 testes de alcoolemia, sendo que 26 pessoas foram autuadas por se recusarem a fazer o teste, e outras 30 foram autuadas por infrações diversas, além disso, 06 veículos removidos ao pátio do Detran.

@plantaocaico 



Assassinatos de negros crescem 11,5% em 10 anos



No Brasil, os casos de homicídio de pessoas negras (pretas e pardas) aumentaram 11,5% em uma década, de acordo com o Atlas da Violência 2020, divulgado hoje (27) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Ao mesmo tempo, entre 2008 e 2018, período avaliado, a taxa entre não negros (brancos, amarelos e indígenas) fez o caminho inverso, apresentando queda de 12,9%.

Feito com base no Sistema de Informação sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde, o relatório evidencia ainda que, para cada pessoa não negra assassinada em 2018, 2,7 negros foram mortos, estes últimos representando 75,7% das vítimas. Enquanto a taxa de homicídio a cada 100 mil habitantes foi de 13,9 casos entre não negros, a atingida entre negros chegou a 37,8. 

O relatório também chama a atenção para a preponderância de jovens entre as vítimas de homicídios ocorridos em 2018. Ao todo, 30.873 jovens na faixa etária entre 15 e 29 anos foram mortos, quantidade que equivale a 53,3% dos registros. 

 Agência Brasil - @plantaocaico 

Pior fase da Covid no Brasil já passou, diz sanitarista


Seis meses depois da confirmação do primeiro caso de Covid-19 no Brasil, completados na última quarta 26, a pior fase da doença “já passou”, afirma especialista.

“Eu diria que a pior fase da doença passou, agora a tendência ainda é obviamente a gente conviver com esse novo coronavírus por muito tempo, até que a gente tenha uma vacina eficaz e com uma cobertura muito elevada no país, mas eu acho que a pior fase passou”, afirmou Alexandre Chieppe, médico sanitarista da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, em entrevista à agência Sputnik.

Só que ainda não dá pra comemorar, nem relaxar das medidas protetivas porque o sanitarista  acredita na possibilidade de o Brasil viver uma segunda onda da COVID-19.

@plantaocaico