sábado, 26 de dezembro de 2020


Aos 101 anos, Idoso vence Covid-19 e comemora entregando cestas básicas vestido de Papai Noel


Um idoso, de 101 anos, que ficou curado após contrair a Covid-19 decidiu comemorar o natal e a recuperação nessa quarta-feira (23), vestido de Papai Noel. Antônio Medeiros Magalhães, conhecido como seu Mocinho, participou de uma ação para entregar diversas cestas básicas às famílias da comunidade Morro do Ouro, no Bairro Jacarecanga, em Fortaleza-CE. Por ser do grupo de risco, o idoso não entrou em contato direto com as famílias que receberam as cestas básicas. Durante a entrega, seu Mocinho desejou feliz Natal e acenou de longe para quem recebia a ajuda. Ele teve a ajuda do filho, o mecânico Negreiros Magalhães.

Jornal de Brasília  - @plantaocaico 

COVID: Brasil registra 307 óbitos e 17 mil casos nas últimas 24h



O Ministério da Saúde divulgou os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil neste sábado (26):

O país registrou 307 óbitos nas últimas 24h, totalizando 190.795 mortes;

Foram 17.246 novos casos de coronavírus registrados, no total 7.465.806 pessoas já foram infectadas.

O número total de recuperados do coronavírus é 6.475.466, com o registro de mais 16.131 pacientes curados. Outros 799.545 pacientes estão em acompanhamento.

@plantaocaico 


41 novos casos de Covid-19 neste sábado (26), em Caicó



Boletim COVID-19: Caicó

Neste sábado (26), a Secretaria Municipal de Saúde vem por meio desta divulgar o registro de 41 (QUARENTA e UM) novos casos de COVID-19 no município, sendo TODOS comunitários.

Com relação aos casos de hoje, foram 18 homens e 23 mulheres.

Os casos residem:

01- Adjuto Dias;
01- Barra Nova;
01- Boa Passagem;
02- Centro;
03- Castelo Branco;
02- Canutos e Filhos;
01- Darcy Fonseca;
02- Itans;
01- IPE;
01- João XXIII;
01- Maynard;
04- Paulo VI;
06- Paraíba;
03- Penedo;
01-Recreio;
02- Soledade;
01- Vila Altiva;
04- Walfredo Gurgel;
04- Zona Rural.

TODOS confirmados por RT-PCR.

@plantaocaico 




Rotary Club Caicó conclui 2020 com doação de cestas básicas na Zona Oeste



Fechando 2020 com o compromisso de servir ao próximo o Rotary Club Caicó realizou na manhã deste sábado (26) a entrega de 26 cestas básicas a catadores no Lixão e famílias que moram no bairro João Paulo II, na zona oeste de Caicó.

A entrega foi feita pelo presidente Raymilson Barbosa e o associado João Alves. Mesmo com as dificuldades e limitações impostas pela pandemia do Coronavírus o Rotary Club Caicó conseguiu manter em 2020 boa parte de suas ações sociais, inclusive a tradicional Campanha do Fraldão, com a doação de quase 1.500 pacotes de fraldas para os idosos do Abrigo Professor Pedro Gurgel.

@plantaocaico 

Maior cobertura do Rio está à venda por R$ 65 milhões

Quatro andares, cinco quartos, jardim suspenso com piscina, sauna, spa, churrascaria, sala de jogos, coleções de arte, pisos de mármore e vista para a Baía de Guanabara e o Pão de Açúcar. A descrição, semelhante à de um palácio, é a do maior apartamento da cidade, com 3.900 metros quadrados, construído sob encomenda pela família Guinle no final dos anos 30, e que pode ser adquirido por R$65 milhões. Devido à sua arquitetura e valor histórico — o endereço, até os anos 70, era point de eventos da alta sociedade —, o processo de venda chama a atenção de curiosos e movimenta o mercado de luxo. O vídeo de apresentação da cobertura viralizou nas redes.
O Globo - @plantaocaico 

Ser humano já consome plástico até na cerveja, aponta pesquisa

Estima-se que, ao longo de um ano, cada pessoa tenha ingerido algo entre 74 e 121 mil partículas de plástico. ⁣ ⁣ Um estudo feito por cientistas do Departamento de Biologia da Universidade de Victoria, no Canadá, analisando substâncias e produtos consumidos no nosso dia a dia, mostrou que a água engarrafada aparece no topo da lista daqueles que apresentaram maior presença de microplástico, seguida por cerveja, ar, água de torneira, frutos do mar, açúcar e sal. 

CNN - @plantaocaico 

Morte de caicoense na praia de Ponta Negra foi provocada por infarto

O ITEP constatou que a morte do Caicoense Agaibe Lopes ocorrida na praia de ponta negra foi provocada por um infarto fulminante na vítima. A vítima havia relatado alguns sintomas de COVID porém não chegou a realizar exames que comprovassem ou não a doença.

@plantãonatal - @plantaocaico 

Covid-19: Revista científica confirma que Nitazoxanida reduz carga viral


O estudo clínico coordenado e financiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) sobre o uso do medicamento nitazoxanida em pacientes com Covid-19 foi publicado pela revista científica European Respiratory Journal. O estudo confirma que o antiviral nitazoxanida é capaz de reduzir a carga viral em pacientes com até 3 dias de confirmação da doença no organismo. Para isso, deve ser administrado na dosagem de 500 mg, de 8 em 8 horas, durante 5 dias.

“A publicação do estudo clínico é um presente de Natal da ciência brasileira para o mundo. É uma excelente notícia de fim de ano para começarmos 2021 com ainda mais determinação para enfrentar esta pandemia utilizando a única arma possível de derrotá-la, a ciência. O Brasil possui excelentes cientistas e pesquisadores que produzem conhecimento científico de ponta e esse estudo com a nitazoxanida mostra que podemos ajudar não só o país, mas também o planeta. Finalizamos o estudo e deixamos essa contribuição publicada para que novos protocolos de tratamento preventivo ou prescrição médica possam ser adotados”, declarou o ministro do MCTI, Marcos Pontes.

Segundo a coordenadora do estudo, a professora Patrícia Rocco, titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a diminuição da carga viral representa uma menor possibilidade de contágio pelos pacientes tratados e evita o agravamento das condições de saúde.

A definição pelo antiviral nitazoxanida ocorreu depois de testes com 2 mil fármacos, utilizando inteligência artificial, pelo Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização social vinculada ao MCTI. Os testes identificaram cinco remédios com potencial para combater a replicação do novo coronavírus. Um deles, o antiviral nitazoxanida, reduziu em 94% a carga viral em células infectadas in vitro.

Em seguida, com aprovação da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP), o ministério deu início ao protocolo de estudos clínicos com a nitaxozanida no tratamento de pacientes com sintomas iniciais de Covid-19, como febre, tosse e fadiga. Assim foi lançada a campanha #500VoluntáriosJá, que levou carretas para receber os participantes dos estudos nas cidades de Ceilândia (DF), Bauru, Sorocaba, Barueri, Guarulhos e São Caetano do Sul, em São Paulo, e Juiz de Fora (MG).

O estudo teve a participação de 1.575 voluntários em 7 cidades do país. A pesquisa foi conduzida no padrão multicêntrico, randomizado com grupo de controle e “duplo cego”, em que nem os pacientes ou médicos tinham conhecimento da medicação usada e poderiam tanto receber a nitazoxanida ou o placebo.

O secretário de Pesquisa e Formação Científica do MCTI, Dr. Marcelo Morales ressaltou que o estudo clínico foi realizado com o antiviral nitazoxanida, um medicamento já existente no mercado e que não foi criado com a finalidade de combater a Covid-19. “O reposicionamento de fármaco foi apenas uma das linhas de atuação sugerida pelos pesquisadores da RedeVírus MCTI devido à emergência da pandemia e já apontando a grande possibilidade de encontramos uma solução interessante para uma demanda mundial. E a publicação do estudo clínico numa conceituada revista científica dá ainda mais credibilidade à pesquisa e possibilita que este conhecimento construído por pesquisadores e cientistas brasileiros pudesse ajudar o planeta”, afirmou.

A secretária de articulação e promoção da ciência do MCTI, Christiane Corrêa, agradeceu e destacou a importância dos voluntários, médicos, enfermeiros, aos hospitais credenciados, e todos que colaboraram com a realização do estudo clínico, inclusive aos Correios pelo essencial apoio logístico nesta conquista para o país.

Para senso comum, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA) vinculado ao Ministério da Saúde, se considerando as etapas da pesquisa experimental e clínica, o tempo total de desenvolvimento de um novo medicamento pode ultrapassar 10 anos, sendo que de cada 10 mil moléculas testadas, apenas uma se torna um medicamento comercializado.

Fonte: Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações - @plantaocaico