No ritmo atual, Brasil só conseguirá vacinar 70% da população em 2024

fevereiro 08, 2021


Se o Brasil mantiver o atual ritmo de vacinação, levará três anos para imunizar 70% da população contra Covid-19. A perspectiva de atingir só em 2024 a cobertura que permite a volta ao “velho normal” é desanimadora, mas há espaço para melhorar o desempenho, dizem cientistas. Além de, evidentemente, avançar na aquisição de vacinas, o Programa Nacional de Imunização (PNI) precisa, pontuam, ajeitar sua logística, prejudicada pela escassez dos imunizantes. Até agora, o Brasil vacinou apenas 1,5% da população. Com problemas similares, outros latino-americanos avançaram ainda menos, casos de Argentina (0,8%), México (0,5%) e Chile (0,4%). Por terem se movimentado antes e comprado mais vacinas, nações ricas como Estados Unidos, Reino Unido, Israel e Emirados Árabes Unidos estão no caminho para chegar aos mágicos 70% ainda em 2021, segundo dados do projeto Our World In Data, da Universidade de Oxford. Os cientistas ouvidos pela reportagem não quiseram arriscar quando o país pode atingir os 70% da população vacinada, com ou sem uma otimização do PNI. Um relatório da consultoria Economist Intelligence Unit buscou dar essa resposta mapeando compras de vacina mundo afora e analisando a infraestrutura de diversos países. Procurado, o Ministério da Saúde afirmou em nota já ter garantido 354 milhões de doses de vacina, suficiente para imunizar 83% da população (com duas doses). Esse número, porém, está em contratos que ainda precisam ser honrados, com a entrega de ingrediente ativo das vacinas CoronaVac e Oxford/AstraZeneca. O número também inclui doses a serem adquiridas via Covax, consórcio articulado pela OMS. Questionado sobre o prazo em que espera atingir volume maior de vacinados, a pasta informou não ter data específica: “O escalonamento dos grupos populacionais para vacinação se dará conforme a disponibilidade das doses de vacina, após liberação para uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária”.  #JornalOGlobo 

Leia Também...

0 Comments